onde investir com a queda na selic

A Taxa Selic caiu e com isso surgiram várias dúvidas pela internet. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central iniciou no último dia 31 um novo ciclo de corte da taxa básica de juros, ponto de partida para as taxas dos títulos públicos e outros investimentos de renda fixa.

A Selic caiu de 6,5% ao ano para 6% ao ano, o menor patamar da história. O grande alarde que está sendo feito na mídia não é devido à redução em si – que já era esperada – mas sim devido à redução de 0.5% e não de 0.25% como estava sendo previsto pelos analistas financeiros.

Essa queda na Taxa Selic afeta os investimentos, e para solucionar algumas dúvidas, neste artigo vou explicar como investir seu dinheiro com a Taxa Selic baixa.

Como a Taxa Selic Afeta seus Investimentos em Renda Fixa

taxa selic renda fixaA consequência direta da queda da Taxa Selic é a redução da rentabilidade de todos os investimentos em renda fixa atrelados ao CDI ou à Taxa Selic, como vários CDBs, LCIs, LCAs, títulos do Tesouro Direto e a própria poupança.

CDBs, LCIs e LCAs: a queda da taxa Selic influencia os títulos pós fixados indexados ao CDI, pois a taxa DI acompanha a Selic.

Tesouro Direto: o Tesouro Selic é diretamente afetado, pois a rentabilidade deste título é pós fixada e acompanha a Taxa Selic.

Já no caso dos pré-fixados ou mistos, como o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA, essa relação não é direta, porém o Tesouro Direto também corrige os preços de compra e a rentabilidade dos títulos à venda para o novo patamar da Taxa Selic.  Logo, você poderá encontrar títulos com rentabilidades reduzidas.

Porém, vale lembrar que essa regra vale somente para os títulos disponíveis para compra. Se você já possui algum título do Tesouro Prefixado ou Tesouro IPCA na sua carteira e pretende carregá-lo até o vencimento, a rentabilidade que vale é aquela acordada no momento em que você comprou o título.

Poupança: a poupança também sofre com a queda da taxa Selic. Isso acontece porque quando a Selic está igual abaixo de 8,5%, o cálculo da rentabilidade da poupança é 70% da taxa Selic + TR. A TR atual está zerada.

Logo, fazendo os cálculos, atualmente a poupança está rendendo 70% de 6% a.a. que é equivalente a 4,2% a.a.

Tesouro Direto vale a pena mesmo com a Taxa Selic Baixa?

tesouro direto queda taxa selic

Uma dúvida comum dos meus alunos do Curso Tesouro Direto para Iniciantes é saber se vale a pena investir no Tesouro Direto com a queda da Taxa Selic.

Minha resposta nesse momento é: depende.

Por quê?

Porque depende do objetivo de cada um. Saber como investir dinheiro não significa apenas encontrar a melhor rentabilidade, mas também entender os tipos de investimento e como adequar seus objetivos financeiros a estes títulos.

Tesouro Selic

No caso do Tesouro Direto, se você investe no Tesouro Selic com o objetivo de ter uma reserva de emergência, ou um dinheiro disponível para retirada a qualquer momento, significa que você precisa de liquidez. Então, a característica principal do título, que é a possibilidade de sacar antes do vencimento, é mais importante do que a rentabilidade dele.

E, mesmo se você quiser levar em consideração a rentabilidade, não há muitas opções para escolher. Porque fora o Tesouro Selic, outros títulos com essa característica de alta liquidez seriam a Caderneta de Poupança e algum CDB , LCI ou LCA com liquidez diária.

E, como já expliquei no tópico anterior, todos esses investimentos estão atrelados à taxa Selic ou ao CDI, e portanto também irão render menos com a queda na Taxa Selic.

Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA

No caso dos títulos mistos e prefixados, é preciso tomar mais cuidado com a estratégia do investimento em épocas de juros baixos.

Os títulos que já foram comprados no passado e serão carregados até o vencimento não sofrerão alterações. Porém, os títulos que estão à venda atualmente sofrerão correções nos seus preços de compra e nas taxas de juros ofertadas para acompanhar a queda na Taxa Selic.

Essa correção tem como consequência menores taxas de juros para o investidor que desejar comprar esses títulos. E no caso de títulos com vencimentos longos, é preciso investir com cautela.

Especialmente no caso do Tesouro IPCA, que possui prazos muito longos , tome cuidado pois ao comprar esse título com uma taxa baixa de juros, você irá carregar essa taxa baixa por vários anos.

Se você deseja otimizar a sua rentabilidade, seria interessante pensar na possibilidade de comprar títulos com prazos menores, ou títulos pós fixados como o Tesouro Selic e aguardar até as taxas de juros da economia subirem novamente.

Portanto, uma maneira inteligente de investir no Tesouro Direto quando a Selic está baixa é investir no Tesouro Selic ou em títulos com prazos mais curtos, para que você não “prenda” seu dinheiro em um investimento com rentabilidade baixa por décadas.

Porém, essa decisão também depende do perfil do investidor. Se você é o tipo de pessoa que não quer se preocupar em acompanhar a economia, apenas continue investindo normalmente no título que você já compra.

Manter aportes constantes e criar o hábito de investir é mais importante do que otimizar ao máximo a sua rentabilidade. Se a ideia de fazer cálculos e balancear sua carteira de investimentos várias vezes ao ano é paralisante para você, não se preocupe com isso.

Você não irá perder dinheiro, apenas deixará de ganhar um pouco mais. Mas lembre-se que deixar de investir fará você perder muito mais dinheiro do que investir em um título com uma rentabilidade menor.

Como Investir meu Dinheiro com a Taxa Selic em Baixa:

como investir com a queda na selic

Com a variação dos índices da economia, é muito comum aparecerem manchetes escandalosas por aí exaltando algum investimento ou decisão financeira.

Então, antes das recomendações que irei passar aqui, é importante saber: Jornais querem apenas audiência. Não tome suas decisões financeiras tendo como base notícias sensacionalistas.

Decisões financeiras dependem de uma análise geral do quadro financeiro, do seu perfil, seus objetivos, sua capacidade financeira e, por último, os índices econômicos.

Estes índices econômicos servem para você entender o funcionamento dos investimentos e são apenas mais um fator, dentre vários, que você precisa levar em consideração ao decidir onde investir seu dinheiro.

Eu explico como tudo isso funciona no meu curso Tesouro Direto para Iniciantes, e também no curso sobre Renda Fixa para Iniciantes.

Tendo isso em mente, vamos às recomendações:

1- Avalie seu Objetivo

Como já expliquei no tópico sobre o Tesouro Selic, o principal fator a ser levado em consideração é o objetivo do seu investimento.

Reserva de emergência: o dinheiro destinado à reserva de emergência precisa estar aplicado em papéis seguros e de alta liquidez, ou seja, fáceis de resgatar.

Os investimentos que cumprem essas características são a Poupança, o Tesouro Selic e títulos de renda fixa com liquidez diária. Logo, a rentabilidade não importa.

A principal função desse dinheiro é estar disponível, e não o ganho de capital. Portanto, a queda da Taxa Selic não deve ser levada em consideração para montar a sua reserva de emergência.

Objetivo de Curto Prazo: se você está investindo para objetivos com data definida ou a curto prazo, nesse caso pode ser interessante manter o dinheiro em títulos de prazos curtos ou pós fixados.

Objetivos de Médio e Longo Prazo: nesse caso, o dinheiro ficará investido por vários anos. A economia é cíclica, e atualmente estamos em um ciclo de baixa da Taxa Selic. No futuro haverão ciclos de alta, mas não podemos prever quando isso irá acontecer.

Se seu objetivo possui um prazo longo, de várias décadas, pode ser mais prudente deixar o dinheiro rendendo em títulos pós fixados ou de prazos mais curtos para aguardar o próximo ciclo de alta na taxa de juros e aí sim comprar um título de vencimento longo.

2 – Avalie seu perfil de investidor

É comum as pessoas tentarem fugir da renda fixa quando há uma queda na taxa Selic. Matematicamente falando essa fuga é bem plausível, pois a renda fixa irá render menos. Porém, essa conta não leva em consideração o perfil do investidor.

Se você possui um perfil conservador, não há porque sair da renda fixa e se aventurar em investimentos mais voláteis como a bolsa de valores só porque os juros da renda fixa estão em baixa.

Se o investimento não coincide com o seu perfil, é provável que você terá mais perdas financeiras e mais dor de cabeça ao investir em um ativo incompatível com a sua capacidade de lidar com as flutuações do mercado.

A renda variável, como o próprio nome já diz, varia, tanto para cima quanto para baixo. E possível que o momento atual represente um bom momento para a renda variável, porém isso é passageiro. Se o investidor tem um perfil conservador, no momento em que essa alta passar, ele verá suas ações caindo, irá vender as ações antes do tempo e perder dinheiro.

Portanto, não use esse momento de juros baixos para fugir da renda fixa. Não é uma decisão inteligente. Para investir na Bolsa de Valores, é preciso que você tenha um perfil compatível, uma estratégia definida e um estudo prévio dessa estratégia para investir corretamente. Ter sucesso na bolsa significa saber lidar com essa variação da renda variável.

3- Estude suas opções

Tendo em vista os pontos 1 e 2 desse tópico, chegou a hora de avaliar suas opções.

Algumas decisões são, na minha opinião, indiscutíveis, como é o caso da Reserva de Emergência. Mas no caso se planejamento da aposentadoria ou da independência financeira, existem alguns caminhos que podem ser tomados.

Estude novos mercados. Após longos períodos de juros altos, é normal ficarmos “acomodados” com investimentos seguros, fáceis de entender e que rendem bem. E com isso, ficamos estagnados. Aproveite o momento de baixa para retomar seus estudos sobre investimentos e começar a aprender mais sobre mercados de renda variável como a bolsa de valores, fundos imobiliários, fundos multimercado e até mercados inovadores como Forex e criptomoedas.

Esse conhecimento será útil para você aprender a rebalancear seus investimentos conforme os momentos econômicos e entender as melhores estratégias para seu perfil e seus investimentos.

Cuidado com o Longo Prazo. Como mencionei anteriormente, tome cuidado com títulos do Tesouro Direto e de Renda Fixa com prazos muito longos. Se você faz aporte mensais e deseja otimizar seus ganhos, reduza seus investimentos nesses títulos mistos e prefixados de prazos muito longos e invista nos pós fixados.

Quando a taxa de juros voltar a subir, basta resgatar esses papeis e reinvestir nos títulos de prazos longos. Desta forma você evitará segurar taxas muito baixas a prazos longos.

Conclusão

Talvez eu tenha decepcionado muita gente com esse artigo, pois não sugeri uma lista de papéis para investir com a queda da taxa Selic.  Sinto muito, mas esse não é o objetivo deste blog.

Eu acredito em decisões financeiras inteligentes, e elas somente são atingidas com muito estudo e reflexão. Não há uma resposta pronta e um investimento ideal para qualquer tipo de pessoa tomando como base apenas um indicador econômico.

Para saber qual é o melhor investimento com a queda da taxa Selic, é preciso avaliar não só os números e taxas ofertados, mas principalmente seus objetivos financeiros e o seu perfil de investidor.

Se você quer aprender a investir corretamente, sugiro fortemente conhecer meus cursos sobre investimentos. Neles eu ensino o passo-a-passo para investir corretamente, desde a análise do seu planejamento financeiro até os tipos de investimentos indicados para cada caso e o passo-a-passo para comprar e vender estes papéis.

Espero que tenha gostado do conteúdo e te vejo na próxima!

onde investir dinheiro com a queda da taxa selic

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.