O Tesouro Direto possui alguns impostos e taxas envolvidas que devem ser levados em consideração ao investir seu dinheiro. Apesar dos baixos custos para investir, é importante saber quais são essas taxas cobradas para não haver nenhuma surpresa.

As taxas cobradas no Tesouro Direto são a taxa de custódia e a taxa de corretagem.

Taxa de Custódia

A taxa de custódia é obrigatória para todos os títulos do Tesouro Direto e é cobrada pela BM&FBovespa (B³) para cobrir os serviços de guarda dos títulos e manutenção do sistema de informações como saldos e extratos que você pode consultar dentro do sistema do Tesouro Direto.

taxa de custodia b3 bovespa

Trata-se de uma taxa anual cobrada semestralmente de forma automática ou quando ocorrer o resgate do investimento. Essa cobrança ocorre no primeiro dia útil de janeiro ou julho, o que ocorrer primeiro. Normalmente as corretoras enviam um e-mail avisando sobre a cobrança.

Outra ocasião em que a taxa de custódia é cobrada é quando ocorre o resgate do investimento (por venda antecipada ou por atingir a data de vencimento) e também se houver o pagamento de cupons semestrais. Nestes casos, o valor da taxa será debitado automaticamente do dinheiro resgatado.

Como Investir no Tesouro Direto para Iniciantes

O valor da taxa de custódia para investir no Tesouro Direto é de 0.25% ao ano sobre o montante investido. A cobrança é feita sobre o saldo disponível na sua conta na corretora. Caso o valor seja inferior a R$ 10,00, ele ficará como saldo devido no extrato do seu investimento e somente será cobrado no próximo período.

Taxa de Administração ou Corretagem (Corretora)

taxa zero no Tesouro Direto

Muitos bancos e corretoras anunciam taxa zero para o Tesouro Direto. Neste caso, eles estão se referindo à taxa de administração, e não à taxa de custódia explicada acima (que por sinal é obrigatória independente da corretora pois é cobrada pela B³).

Alguns bancos e corretoras podem cobrar essa taxa, normalmente na faixa de 0.1% até 3% ao ano sobre o dinheiro investido. Entretanto, a maioria das grandes corretoras não cobra essa taxa como uma maneira de atrair novos investidores. Mais recentemente, vários bancos grandes anunciaram a isenção dessa taxa de administração do Tesouro Direto.

Apesar de ser uma taxa baixa, não custa nada evitar pagar à toa, não é mesmo? Então, antes de investir, procure saber se a sua corretora ou banco cobra taxas de administração ou corretagem para os investimentos em Títulos Públicos.

No site oficial do Tesouro Direto, é possível consultar o ranking dos agentes de custódia e as informações sobre as taxas cobradas, como na tabela abaixo:

taxas para investir no Tesouro Direto

Consulte aqui a tabela atualizada.

Impostos

Além das taxas, existem também os impostos cobrados nos investimentos do Tesouro Direto, que são o IOF e o Imposto de Renda.

IOF

O IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras) é o imposto mais caro do Tesouro Direto, mas também o mais fácil de ser evitado. É um imposto comum a todos os investimentos em renda fixa e incide sobre os rendimentos, ou seja, os juros que seus investimentos renderam.

A alíquota do IOF segue a tabela regressiva abaixo:

IOF Renda Fixa
Tabela Regressiva de IOF no Tesouro Direto

Observe que as alíquotas são altas para os primeiros dias de investimento. Porém, após 30 dias não existe mais a cobrança deste imposto. Por isso, é importante manter seu dinheiro investido por no mínimo 30 dias, assim você evitará essa cobrança desnecessária.

O IOF é cobrado diretamente na fonte no momento do resgate do investimento.

Imposto de Renda no Tesouro Direto

Assim como outros investimentos em renda fixa, no Tesouro Direto também há a cobrança de Imposto de Renda. Assim como o IOF, o IR incide sobre os rendimentos e a cobrança é automática seguindo a tabela regressiva abaixo:

Imposto de Renda no CDB

Observe que, quanto maior o prazo, menor a alíquota do Imposto de Renda no Tesouro Direto. Por esse motivo é importante fazer um planejamento financeiro para que, na medida do possível, o resgate dos títulos seja feito após 720 dias, dessa forma você pagará menos impostos.

Como Investir no Tesouro Direto para Iniciantes

O Imposto de Renda é cobrado na fonte no momento do resgate do seu investimento. Ou seja, é cobrado mesmo para quem não faz a declaração anual de Imposto de Renda.

Além disso, ele também é cobrado quando ocorrem pagamentos de cupons semestrais para os títulos que possuem essa característica.

Conclusão

Neste artigo, busquei explicar de forma clara e concisa todos os impostos e taxas cobradas no Tesouro Direto. Vale lembrar que estes não são os únicos custos, pois você também precisará considerar custos bancários (TED e DOC) para transferir o dinheiro para a sua corretora de valores.

Aqui no Blog tenho vários artigos sobre o Tesouro Direto, e também tenho um curso na Udemy publicado sobre o assunto:

Como Investir no Tesouro Direto para Iniciantes

Apesar de existir uma taxa de custódia e Imposto de Renda, ainda assim o Tesouro Direto é um investimento muito barato se comparado à Previdência Privada e alguns fundos de investimento. As taxas do Tesouro Direto são bem claras explícitas no extrato do investimento, então você não terá surpresas.

Mesmo baixas, é importante também fazer um planejamento financeiro para que você invista no Tesouro Direto da forma certa, com prazos compatíveis, de forma a otimizar a sua rentabilidade pagando menos taxas e impostos.

Espero que o artigo tenha ajudado. Se você gostou do conteúdo, não se esqueça de compartilhar com os amigos e nos seguir nas redes sociais 🙂

impostos e taxas pra investir no tesouro direto (3)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.