[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O monstro das dívidas é uma figura comum na vida de muitas pessoas. Passar as noites preocupado com as contas para pagar sem saber por onde começar é o pior pesadelo de mais da metade dos brasileiros. Muitas vezes o salário acaba na mesma semana do pagamento e a pessoa não sabe como sair do vermelho. Tudo isso causa muito stress e sofrimento.

estou endividado

O importante é saber que é possível sair das dívidas. Por piores que elas possam parecer, existe uma luz no fim do túnel. Basta que haja a orientação correta, uma dose de organização e a vontade real de sair do ciclo vicioso das dívidas e parcelamentos.

Neste artigo, você irá aprender a diferença entre os tipos de dívidas, e como se organizar para pagá-las da maneira correta. Organizei o conteúdo de maneira clara e direta, para que você consiga tomar este artigo como base para reorganizar a sua vida financeira.

Espero que goste do conteúdo!

Dívidas Controladas x Descontroladas

Você sabia que nem toda dívida precisa ser quitada rapidamente?

como sair do vermelho

Vejo muitas pessoas que possuem dívidas de parcelamentos, financiamentos, empréstimos e cartão de crédito e não sabem por onde começar a pagar. Neste tópico, você irá aprender como separar suas dívidas em categorias e como escolher as suas prioridades.

Existem basicamente dois tipos principais de dívidas: as controladas e as descontroladas.

As dívidas controladas são os pagamentos de longo prazo, planejados e que cabem em seu orçamento mensal.

Exemplos de dívidas controladas são os financiamentos de carros e imóveis. Se houvesse um planejamento financeiro prévio, estas dívidas não existiriam, porém agora que elas já foram adquiridas, não é necessário realizar sacrifícios monstruosos para quitar, contanto que elas estejam dentro do seu planejamento financeiro e do orçamento mensal pessoal ou familiar.

Por exemplo, utilizar o 13 salário para adiantar parcelas de financiamento de imóveis não é uma boa ideia. O mais indicado é utilizar este dinheiro para pagar as contas de início de ano ou simplesmente investir para garantir a aposentadoria ou a realização de um sonho no futuro.

Muitas vezes as taxas de juros que você supostamente ‘’economiza’’ adiantando parcelas que venceriam daqui a 15 anos são menores do que o ganho que você teria investindo seu dinheiro hoje!

Por isso é importante aprender como sair do vermelho da maneira correta.

Por outro lado, as dívidas descontroladas são extremamente perigosas. Tratam-se de dívidas relacionadas a empréstimos, atrasos em cartões de crédito e cheque especial, que possuem taxas de juros extremamente altas e devem ser quitadas o mais rápido possível.

Inclusive, aquele dinheiro que você emprestou de um parente também entra aqui, ok?

Este tipo de dívida pode não representar grandes perdas em termos de juros, porém é um desgaste psicológico adicional que pode ser facilmente eliminado.

Portanto, você deverá colocar no papel e classificar todas as suas dívidas, independentemente do valor. Aqui entram as parcelas do cartão de crédito, cheque especial, contas atrasadas, empréstimos, financiamentos e qualquer dinheiro que tenha sido emprestado.

Isso nos leva ao próximo tópico, que irá mostrar qual é o primeiro passo para você sair do vermelho e se livrar das dívidas.

Como Sair do Vermelho? Dê o Primeiro Passo!

O primeiro passo para sair do vermelho e se livrar das dívidas é tomar a iniciativa de reunir todas estas contas, parcelas e pagamentos em atraso.

como se livrar das dívidas

Separe um tempo para isso.

1- Procure e imprima todos os contratos de empréstimos, financiamentos, carnês de pagamento e parcelamento de compras e os extratos dos seus cheques e cartões.

Verifique tudo o que estiver em atraso.

2- Faça também um diagnóstico financeiro.

Durante um mês, você irá anotar todas as suas despesas e gastos, desde a bala de 10 centavos até a parcela do seu imóvel. Este diagnóstico irá servir para você ter uma ideia de quanto dinheiro por mês poderá usar para pagar estas dívidas sem comprometer outras contas da casa.

Para mais informações sobre como economizar dinheiro e como fazer um planejamento financeiro, consulte este artigo e este aqui também.

Após realizar seu diagnóstico financeiro e colocar no papel todas as suas dívidas, é hora de organizá-las.

3- Organize suas dívidas pelo nome, valor das parcelas (quando houver), valor total e taxa de juros mensal.

O mais importante nessa organização é saber o valor total devido e a taxa de juros envolvida. Você irá se surpreender com o valor de algumas taxas, principalmente de cheque especial e cartão de crédito. Este valor pode ser encontrado no contrato do seu cartão ou via internet banking. Caso não consiga encontrar, ligue para a central de atendimento ou vá ao seu banco e peça esta informação, ela é fundamental.

Agora que você já tem todos os dados, organize sua tabela de 2 formas:

1 – Da maior taxa de juros para a menor

2- Do menor valor total para o maior

Em ambas as tabelas, você deverá destacar as dívidas descontroladas – grife com uma caneta ou deixe de outra cor na planilha.

No caso de parcelas em atraso, é importante saber quais são seus direitos como consumidor. Clique aqui e confira esta matéria do IDEC sobre quais são as regras que regem os cadastros de inadimplência.

Após esta organização, você estará preparado (a) para o segundo passo, que eu mostrarei no próximo tópico. Você irá entender como pagar as dívidas de maneira organizada e inteligente.

Como Pagar as Dívidas

Muitas pessoas entram em pânico ao descobrirem que estão endividadas, não sabem como sair do vermelho e tomam decisões completamente erradas na hora de pagar. Outras ainda resolvem simplesmente ignorar o problema, e acabam criando uma bola de neve perigosamente grande.

como pagar as dívidas

Pagar dívidas não consiste em simplesmente ir ao banco parcelar o saldo devedor do seu cartão de crédito. Para quitar as dívidas e sair do vermelho, é preciso planejamento e organização, para que você consiga tomar decisões inteligentes para o seu bolso e não comprometer o seu patrimônio familiar.

No tópico anterior, você aprendeu a organizar as dívidas, e neste ponto já terá duas listas organizadas por:

– Taxas de juros

– Valores totais

Agora, chegou a hora de escolher quais dívidas serão quitadas primeiro.

A sua prioridade deverá ser sempre as dívidas com maiores taxas de juros. Porém, se o valor total destas dívidas for alto demais, pode ser mais vantajoso renegociá-la no banco e transformá-la em uma dívida controlada, com parcelas que cabem em seu bolso.

Por outro lado, dívidas com valores menores são mais fáceis de quitar e com isso você poderá ir aparando várias arestas incômodas primeiro, se livrar destes pequenos parasitas financeiros, para então lidar com as dívidas maiores e mais problemáticas.

Portanto, aqui entrará a sua decisão pessoal.

Em qualquer cenário, a prioridade deve ser acabar com as dívidas descontroladas e com altas taxas de juros. Você deverá dar uma atenção especial ao cheque especial e a parcelas atrasadas no cartão de crédito.

A segunda prioridade é pagar aqueles pequenos empréstimos aos familiares. Pagar as dívidas de menores valores e maiores taxas – aqueles 100 reais para o vizinho não irão virar uma bola de neve financeira, porém é psicologicamente ruim para você. Livre-se então destas pequenas contas para conseguir ter foco, planejar como sair do vermelho e pagar as dívidas maiores e mais problemáticas de uma vez.

Aqui entra um aviso importante: jamais pague a parcela mínima da fatura do cartão de crédito. Este pagamento não irá amenizar sua dívida, é apenas juros.

Se seu cartão está atrasado, ou você percebeu que não conseguirá pagar a fatura do mês, a melhor opção é renegociar com o banco o pagamento desta dívida ou o parcelamento do saldo devedor.juros do cartão

Não pagar a parcela mínima do cartão poderá fazer com que o banco suspenda o crédito da sua conta. Ou seja, você não conseguirá mais realizar compras no cartão ou pegar empréstimos. Portanto é uma decisão seria a ser tomada.

Normalmente este crédito volta a ficar disponível após a renegociação. Mas, considerando que você já está endividado, é melhor não ter crédito mesmo – evita criar tentações e novas dívidas.

De qualquer forma você continuará pagando juros altíssimos, portanto o ideal é realizar um sacrifício momentâneo, enxugar suas contas, economizar dinheiro e acabar com estas dívidas descontroladas.

Isso inclui não criar dívidas novas, ok?

Dê prioridade para o pagamento das suas contas mensais e reduza ao máximo o seu consumo – será algo momentâneo, o sacrifício valerá a pena.

Como Renegociar Dívidas

Ao se organizar para pagar as dívidas, é comum que haja a necessidade de renegociação. A vantagem agora é que você terá no papel uma visão geral de tudo que está devendo e das taxas de juros envolvidas, e poderá negociar de forma mais justa com o banco.

renegociar divida com o banco

Sempre verifique as taxas de juros envolvidas para não cair em armadilhas!

Antes de ir ao banco renegociar, é importante verificar em seu planejamento financeiro quanto você poderá pagar mensalmente para quitar estas dívidas bancárias.

Não aceite o acordo na hora, peça para que o gerente anote eu dê algum documento com a proposta e analise com calma.

Para quem tem muitas dívidas em instituições financeiras diferentes, ou muitas dívidas diferentes em um mesmo banco, existe a opção de transformar todas as dívidas em uma só através de um empréstimo.

Principalmente se você possui muitas dívidas em cartões, cheques e crédito consignado em seu banco, uma opção é pegar um empréstimo em outra instituição financeira e quitar as dívidas bancárias à vista.

Para essa opção ser vantajosa, a taxa de juros mensal do empréstimo deverá ser menor do que a taxa de juros cobrada pelo banco no qual você está devendo.

A vantagem de usar uma nova dívida (empréstimo) para quitar as outras dívidas é que você terá o montante do dinheiro disponível à vista, e isso facilitará a renegociação com o banco. Você irá quitar todas as dívidas de uma vez e ficará somente com o pagamento do empréstimo para se preocupar.

Entenda que esta é uma opção drástica, e deve ser usada somente se a situação realmente estiver fora ou fugindo do controle. E ela também só pode ser utilizada se seu nome ainda não estiver sujo o suficiente para impedir a contratação de um empréstimo.

Existem financeiras que aceitam empréstimos de pessoas com o nome sujo, e cobram taxas maiores para isso, mas é sempre importante verificar se a taxa de juros cobrada no empréstimo é menor que a taxa das suas dívidas atuais.

Esta opção deve ser utilizada somente para as dívidas descontroladas. As dívidas controladas você poderá renegociar posteriormente, quando sua situação estiver melhor.

Por exemplo, se a parcela do seu carro ou imóvel estiver pesando muito no orçamento, é possível renegociar, porém faça isso somente após ter quitado as dívidas descontroladas dos cartões, cheques e outros empréstimos.

Equilibrando a sua vida financeira

Quando uma pessoa se encontra endividada, a prioridade é acabar com as dívidas descontroladas, mesmo que para isso seja necessário reduzir drasticamente o padrão de vida e de consumo.

Entenda que não é possível avançar sem sacrifícios. Porém, este sacrifício valerá a pena quando você puder finalmente dormir à noite sabendo que seu nome está limpo e que seu dinheiro é realmente seu – e não destinado a pagar os outros.

renegociar dividas

Após aprender como sair do vermelho, organizar suas dívidas, renegociar, pagar as dívidas pequenas e as com maiores taxas de juros e eliminar todas as dívidas descontroladas, o próximo passo é equilibrar sua vida financeira.

Faça seu planejamento financeiro incluindo as dívidas controladas em seu orçamento mensal. Se o valor delas estiver de acordo com a sua possibilidade, não se preocupe em adiantar parcelas ou renegociar. Use seu dinheiro para realizar seus sonhos e dar qualidade de vida para a sua família.

Jamais viva para pagar as contas. Elas sempre existirão. O importante é mantê-las confortavelmente equilibradas com a sua renda.

Aprenda a poupar dinheiro da maneira correta, e equilibre suas contas. Crie também um fundo emergencial. Comece juntando a quantia de R$ 1.000,00. Este valor deverá ser guardado na poupança e irá existir para evitar novas dívidas. Ele será utilizado somente em emergências.

Em seguida, faça seu orçamento mensal, incluindo as parcelas das dívidas controladas e pelo menos 10% da sua renda para construir uma reserva de emergência mais robusta (com o valor igual a, no mínimo, 3x os seus gastos fixos mensais). Esta reserva será também para emergências, caso aconteça algo com você ou a sua fonte de renda e deverá complementar aqueles R$1.000,00 poupados inicialmente.

Cuide para não criar novas dívidas. A reserva de emergência é justamente para isso!

Dívidas controladas e de longo prazo podem ser renegociadas, mas faça ela sempre caber no seu orçamento, para que não corra o risco de atrasar nenhuma parcela.

Após completar a sua reserva de emergência, este valor poupado deverá ser utilizado para investir no mercado financeiro, gerando juros que irão acelerar a realização dos seus sonhos e objetivos de curto, médio e longo prazo.

Recomendo também ler os artigos Como Fazer um Planejamento Financeiro e 5 Dicas Essenciais para Economizar Dinheiro da Maneira Certa.

Conclusão

Neste artigo, você aprendeu como sair do vermelho e organizar suas dívidas, pagá-las e evitar novas dívidas. Na prática, este é o essencial que você precisa saber. A partir daí, é necessária uma boa dose de motivação e persistência – mas garanto que irá valer a pena.

A intenção foi disponibilizar o maior número de informações possível para que você consiga sair do vermelho e dar o primeiro passo em busca do equilíbrio financeiro.

O mais importante é aprender que você não deve jamais pagar as dívidas sem ter um critério e um planejamento. É preciso organizá-las!

Viver endividado é um fardo muito pesado a ser carregado, e é possível se livrar deste peso com uma pitada de organização e com a orientação correta.

Espero, de verdade, que este artigo tenha ajudado ou, no mínimo, aberto seus olhos sobre como sair do vermelho e  conseguir se organizar para pagar suas dívidas.

Se você tem alguma dúvida sobre este assunto, deixe seu comentário!

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]