Melhor e Mais Seguro que a Poupança? Aprenda a Investir no Tesouro Direto !

Muitas pessoas sonham com a independência financeira e uma aposentadoria tranquila mas não sabem como se planejar e como investir seu dinheiro de forma correta. Elas até procuram alternativas mais rentáveis que a caderneta de poupança, mas acabam caindo nas armadilhas dos bancos e seus planos de previdência privada e fundos de investimento, que cobram taxas altíssimas e não possuem boa rentabilidade se comparados a outros produtos do mercado financeiro.

O principal problema é a falta de conhecimento. Nós possuímos a tendência de procurar autoridades para nos ajudar a investir nosso dinheiro, e acabamos caindo nas mãos de gerentes de banco, corretoras e da mídia em geral. Com isso, elas acabam não conhecendo o potencial de investimentos como os títulos públicos, pois estes não são abertamente indicados por essas autoridades por motivos que explicarei neste artigo.

Será que você também está passando por isso?

Você está buscando uma maneira rentável, simples e segura de investir seu dinheiro?

Então fique aqui comigo e você vai aprender como investir no Tesouro Direto e porque ele é uma ótima opção para quem está começando. Nos próximos parágrafos vou passar os conceitos fundamentais que você precisa para aprender a investir no Tesouro Direto. Estas informações foram exatamente as mesmas que precisei pesquisar e aprender quando comecei a investir, e agora estou passando esse conhecimento de forma mais clara para você. Aproveite o conteúdo!

1. Investir no Tesouro Direto? Nunca ouvi falar disso!

Neste tópico, você vai entender porquê nenhum gerente de banco fará uma recomendação para investir no Tesouro Direto.

A caderneta de poupança é o investimento mais popular no Brasil devido a dois fatores importantes: praticidade e marketing. A praticidade vem do fato de muitas contas correntes serem integradas com as cadernetas de poupança, e basta apenas selecionar uma opção no caixa eletrônico para realizar o investimento.  Para resgatar o dinheiro, o procedimento é o mesmo e em poucos minutos ele estará disponível na conta.

Já o marketing é uma questão um pouco mais profunda. Recentemente, ao apresentar as vantagens do Tesouro Direto para uma amiga, fui desafiada com a seguinte pergunta:

Se o Tesouro Direto é tão bom assim, então porque a maioria das pessoas não investe nele?

Isso acontece por um simples motivo: Os bancos perdem dinheiro. E não é teoria da conspiração, é a realidade.

Quando você faz um plano de previdência privada, fundo de renda fixa, fundo DI e até mesmo parte da poupança,  os bancos e instituições irão investir o dinheiro que você aplicou nos títulos do governo, ficando com boa parte dos juros. Em troca, eles repassam uma parte pequena desses juros e cobram altas taxas pelas operações. Eu comprovei pessoalmente esse fato quando comecei a investir, e expliquei tudo nesse post.

Volto a repetir: Não é conspiração, é a verdade. Os bancos e instituições financeiras possuem boa parte de seus patrimônios investida em títulos do Governo.  Por esse motivo, seu gerente jamais perderá tempo ensinando como investir em títulos públicos pois o banco não ganha nada se você faz o trabalho que ele deveria fazer. E é com essa falta de informação que o banco obtém seus lucros.

E aí, você vai continuar nessa cilada?

Que tal parar de dar dinheiro para o banco?

Então vamos começar!

 2. Como migrar da poupança para o Tesouro Direto?

A principal dúvida das pessoas é como sair da poupança e começar a investir no Tesouro Direto. Em termos práticos, essa mudança pode ser feita seguindo os passos a seguir:

Como sair da Poupança?

  • Planejamento

Ao migrar da poupança para começar a investir no Tesouro Direto, deve-se analisar alguns fatores importantes, como a quantidade de dinheiro a ser investida, a periodicidade e o prazo desejado para resgatar os rendimentos. Tendo isso definido, é necessário conhecer os tipos de títulos e analisar o mais adequado para cada caso, baseado na forma de remuneração e no prazo. Essas informações você irá aprender nesse artigo, nos próximos tópicos, e também em outros já publicados.

  •  Conta em uma Corretora

Diferentemente da poupança, para investir no Tesouro Direto é necessário abrir uma conta em uma corretora de valores, que servirá como intermediária na compra. Os títulos ficarão em seu nome e CPF, mas é necessária essa intermediação pois o Tesouro Direto não permite a compra direta por pessoas físicas. A corretora é apenas um intermediário, e caso ela venha á falência, os títulos continuarão no seu nome e CPF. Para abrir uma conta, basta informar seus dados pessoais e enviar os documentos solicitados, normalmente não há necessidade de comprovação de renda. Todo o processo pode ser feito pela internet.

  • Comprar Títulos

A poupança funciona como uma conta, na qual você deposita a quantia que quiser e retira o dinheiro a qualquer momento. No Tesouro Direto é um pouco diferente, pois é necessário comprar títulos e aguardar a data de vencimento destes, que será quando o governo irá recomprar estes papéis e pagar o valor investido somado aos juros do período, já descontando os impostos. Cada título é comprado como uma operação única e você poderá observar suas movimentações de maneira separada em seu extrato no site do Tesouro Nacional.

Sendo assim, investir no Tesouro Direto é um processo ativo, de compra desses papéis e não uma simples transferência do dinheiro dentro da sua própria conta-corrente.

3. Tipos de títulos do Tesouro Direto

Títulos do Tesouro Direto são papéis de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional em parceria com a Bolsa de Valores (BM&FBovespa) como uma fonte de dinheiro para financiar os gastos públicos. Se você deseja saber mais sobre o que são esses títulos, suas vantagens e desvantagens, leia esse post.  Os títulos diferem entre si nos prazos e formas de remuneração, divididos em três categorias: pré-fixados, mistos e pós-fixados. Lembrando que o valor mínimo para aplicação é de 1% do valor de um título, não devendo ser inferior a 30 reais.

Pré-Fixados

 Um título pré-fixado significa que, ao comprar o título, você saberá exatamente quanto dinheiro receberá na data estipulada de resgate. Os títulos prefixados são chamados de ‘’Tesouro Pré-Fixado XXXX’’ (Antigas LTN e NTN-F).

Segue abaixo os títulos pré-fixados do Tesouro Direto disponíveis para compra na data de publicação deste artigo.

Tesouro Prefixado

Observe que na data de publicação deste artigo, existem três títulos do Tesouro Prefixado á venda. O título mais barato é o Tesouro Prefixado 2021, no qual cada unidade de título é comprada por R$ 518.00 a uma taxa de 12.48% a.a. (a aplicação mínima para esse título é R$ 30,00, já que 1% do valor equivale a apenas R$ 5,18).

Uma característica interessante é que, na data de vencimento, você sempre receberá R$ 1.000,00 por cada unidade de título. A diferença entre o preço de compra da tabela e R$ 1.000,00 será a rentabilidade deste. Por esse motivo, títulos mais próximos do vencimento são mais caros do que os de vencimentos mais longos.

A vantagem destes títulos é que é possível saber exatamente quanto o dinheiro irá render durante o período contratado.  A desvantagem é que parte desta rentabilidade é corroída pela inflação. Logo, se a inflação estiver alta, a rentabilidade real poderá ser prejudicada.

 Mistos (Indexados ao IPCA)

 Os títulos mistos são chamados de ‘’Tesouro IPCA’’ (Antigas NTN-B e NTN-B Principal) e a rentabilidade deles é igual á variação da inflação (IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo, medido mensalmente pelo IBGE) somada a uma taxa pré-fixada.

Segue abaixo os títulos mistos disponíveis para compra na data de publicação deste artigo. A taxa (a.a.) informada na tabela corresponde á parte pré-fixada.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA é excelente para o longo prazo e aposentadoria, pois ele protege seu dinheiro da inflação, garantindo o poder de compra no futuro.

Outra vantagem é que estes títulos possuem prazos mais longos, de 20 e até 35 anos, que são ótimos para planejar a aposentadoria sem correr riscos de ver seu dinheiro ser corroído por crises econômicas.

Estes títulos podem ser utilizados para substituir a previdência privada, guardar dinheiro para a compra de um imóvel, garantir a educação dos filhos e quaisquer outros investimentos de longo prazo.

 Pós-Fixado (Indexado á Taxa Selic)

Títulos pós-fixados possuem rentabilidade atrelada á variação diária da taxa de juros da economia, a Taxa Selic.

Observe que na tabela, a “Taxa (a.a.)” está indicada como sendo de 0,00%. Isso significa que a rentabilidade do Tesouro Selic 2021 será  igual á variação diária da taxa Selic. Você pode consultar a taxa Selic neste link: Indicadores Econômicos

Tesouro Selic

Dependendo da situação econômica, o Tesouro Nacional inclui ágio ou deságio na rentabilidade deste título, e assim a Taxa (a.a.) apareceria como -0,10% ou +0,20%, devendo esse valor ser somado ou descontado da taxa Selic.

A grande vantagem do Tesouro Selic é que, por ser um título pós-fixado, a sua rentabilidade nunca será negativa e é considerado o título mais conservador do Tesouro Direto.

Por ser extremamente seguro e possuir rentabilidade superior á da poupança, o Tesouro Selic é o título mais recomendado para quem está começando no Tesouro Direto e não sabe direito quando irá precisar do dinheiroO Tesouro Selic funciona de forma muito semelhante á poupança, o valor aplicado sempre aumenta com o tempo e não há penalidades no resgate. Ele é excelente para aplicar reservas de emergência e para o dinheiro a ser utilizado no curto prazo.

Agora que você já entendeu as diferenças entre os títulos á venda no Tesouro Direto, é preciso analisar outro aspecto importante na hora de escolher o melhor título: a data de vencimento.

4. Sobre a data de vencimento e resgate antecipado

Uma das grandes vantagens do Tesouro Direto é a sua flexibilidade, pois existem títulos com vários prazos distintos. É preciso prestar muita atenção a essas datas, pois uma vez comprado, é arriscado vender o título antes da sua data de vencimento.

Para entender melhor, vamos observar novamente a tabela de consulta de títulos do Tesouro Direto:

tesouro direto consulta títulos

As datas destacadas na tabela de consulta são as datas de vencimento, nas quais o Governo realizará a recompra desses títulos, e o investidor receberá o dinheiro aplicado acrescido dos juros. A operação é feita de forma 100% automática.

Porém, se for necessário vender o título antes do vencimento, alguns detalhes devem ser observados. Nestes casos, o governo não irá garantir a taxa de juros contratada no ato da compra, e sim o valor de mercado do título naquela data, conforme destacado abaixo:

investir no tesouro direto

Está vendo que na tabela tem uma coluna ‘’Venda’’?

Os valores que aparecerem ali são o preço que o governo aceita pagar se você quiser vender seu título antes do vencimento. É preciso prestar atenção, pois se esse valor for inferior ao preço que você pagou na compra, poderá perder dinheiro. Por isso é importante planejar e entender qual título é o mais adequado para seus objetivos.

A única exceção é o Tesouro Selic, pois ele é pós-fixado. Ao vendê-lo antes do prazo você não sofrerá nenhuma penalidade, e irá resgatar o dinheiro aplicado somado aos juros do período. Por esse motivo ele é muito indicado como substituto da poupança.

 Além da data de vencimento, existe outra característica importante dos títulos públicos que deve ser observada, que é o pagamento de juros semestrais.

5. Juros semestrais ou pagamento no final do período?

Os títulos do tesouro direto também diferem entre si no pagamento dos juros, que podem ser realizados no final do período ou com juros semestrais, conforme indicado na tabela abaixo:

 tesouro direto juros semestrais

Na modalidade de pagamento apenas No final do período, o governo irá pagar os juros do investimento somados ao capital investido (e a variação da inflação, se for o Tesouro IPCA) somente na data de vencimento.

Esta opção de investimento possui a grande vantagem de aproveitar ao máximo o poder dos juros compostos. Ao não realizar retiradas do dinheiro, os juros incidirão em valores cada vez maiores, potencializando o resultado de seus investimentos. Além disso, a alíquota de imposto de renda incidirá somente na data de vencimento (ou de resgate, se for antecipado).

Já nos juros pagos semestralmente, o governo irá pagar os juros do período a cada 6 meses, de forma automática, através do depósito em sua conta na corretora. Nesse caso, o poder dos juros compostos é limitado apenas aos seis meses decorridos. Além disso, o IR incidirá sobre esses valores a cada seis meses, o que resulta em pagamento de alíquotas maiores nos primeiros dois anos.

Como Escolher o Título do Tesouro Direto
E agora, como escolher?

O que define a preferência por um método ou outro são os seus objetivos. Se você pretende investir dinheiro para a aposentadoria, é recomendável utilizar a modalidade de pagamento ao final do período. Porém se seu objetivo é obter a renda passiva resultante dos seus investimentos, ou seja, viver apenas com os rendimentos do seu dinheiro aplicado ou usar isso como uma renda extra, receber o pagamento dos juros a cada seis meses é uma ótima opção.

Nesse ponto , você já aprendeu a interpretar a tabela do Tesouro Direto e chegou o momento de conhecer um ponto muito importante: Os impostos e taxas envolvidos.

 6. Impostos e taxas

Nem tudo são rosas.. o Tesouro Direto possui algumas taxas e impostos envolvidos que, apesar de serem muito inferiores ás cobradas em planos de previdência e outros produtos bancários, não podem ser desconsideradas.

IR e IOF

O Tesouro Direto, assim como outros investimentos em renda fixa, é sujeito á incidência de alíquotas decrescentes de IR e IOF retidos na fonte, conforme as Tabelas abaixo.

É importante frisar que estes impostos incidem apenas sobre os rendimentos, e não sobre o total aplicado e são cobrados de maneira automática na ocasião do resgate ou vencimento do título.

No caso de títulos com pagamento de juros semestrais, o imposto é recolhido na data de remuneração  a cada 6 meses.

Imposto de Renda no Tesouro Direto
Tabela Regressiva do Imposto de Renda no Tesouro Direto
Tabela Regressiva de IOF no Tesouro Direto
Tabela Regressiva do IOF no Tesouro Direto

Perceba que as alíquotas do IOF e IR são decrescentes com o tempo.

O IOF possui alíquotas muito grandes nos 30 primeiros dias, após os quais o investimento passa a ser isento. Devido a isso, é altamente recomendável manter o dinheiro investido por pelo menos 1 mês, de forma a eliminar a cobrança desse imposto.

Assim como o IOF, o Imposto de Renda também é regressivo, com a menor alíquota sendo cobrada após 2 anos. Por esse motivo, também é vantajoso investir no Tesouro Direto com prazos acima desse período, para que seja cobrada a menor alíquota possível.

Taxa de custódia

A taxa de Custódia é uma taxa anual devida á BM&FBOVESPA e cobrada semestralmente, referente aos serviços de informações e movimentações de saldos e guarda dos títulos. Ela é cobrada pois o Tesouro Direto foi criado com base em uma parceria entre o Tesouro Nacional e a BM&FBOVESPA. Paga-se um valor fixo de 0.3% ao ano em todos os títulos negociados, independente da corretora ou banco.

Taxa de administração ou corretagem

Esta taxa refere-se a custos de administração de sistemas integrados de compra e venda paga ás corretoras ou bancos utilizados para investir no Tesouro Direto.  O valor é variável, sendo que existem corretoras que não cobram esta taxa.

Esse é um fator importante na hora de escolher a sua corretora, se você pretende investir no Tesouro Direto. Os bancos cobram valores na faixa de 0,5% a.a. enquanto corretoras variam entre 0.0% a.a. e 0.3% a.a. Parece pequena a diferença, porém se considerarmos que os títulos do Tesouro Direto são para longo prazo, ao final do período esse valor pode representar milhares de reais. Você pode consultar os valores cobrados pelas corretoras para investir no Tesouro Direto neste link.

Conclusão

O Tesouro Direto é um investimento excelente e seu potencial deve ser aproveitado. Conhecer sobre os títulos não é um trabalho difícil, e existem cursos que ensinam tudo isso de maneira muito rápida e simples. Porém, se você tem tempo para estudar, é possível aprender tudo na internet. Aqui no Blog estou publicando vários artigos sobre o assunto, que você pode tomar como base para aprender a investir.

Se você tem interesse sobre o assunto e deseja conquistar a sua independência financeira investindo a partir de R$ 30,00 por mês, confira o material exclusivo que preparei no curso Como Investir no Tesouro Direto para Iniciantes.

Espero que este artigo tenha ajudado se houver alguma dúvida, fique á vontade para perguntar na seção de comentários 🙂

  • Dani Sousa

    Tem requisito para contratar uma corretora?

  • Poupar e Viver

    Olá Dani!
    Desculpa a demora na resposta… então, você precisa ser maior de idade e possuir conta corrente em um banco. A grande maioria das corretoras não exige aplicação mínima para abrir a conta.

  • Paty Bc

    No Tesouro Selic incide o IOF nos primeiros 30 dias? (Oi kiki hahahaha)

  • oie! sim 😛 incide em todos os titulos

  • Iana

    E como escolher a melhor corretora, alguma dica?

  • Olá!
    Sim, vc deve procurar sempre as corretoras grandes, cadastradas no Site do Tesouro Nacional. De preferência escolher as com menores taxas para investir no Tesouro Direto e verificar se elas trabalham com o seu banco para evitar as taxas de TED e DOC. O resto é com você, verificar como é o site, se te passa confiança, entrar em contato com eles para ver como é o suporte, etc.