Autores Artigos porHevlin Costa

Hevlin Costa

35 ARTIGOS 13 COMENTÁRIOS
Hevlin Costa é engenheira, pós graduanda em coaching e educação financeira pela metodologia DSOP, investidora, devoradora de livros e apaixonada por finanças e investimentos.

por -
0
comprar ou morar de aluguel

Comprar ou alugar um imóvel: Eis a questão.

Muitas pessoas acreditam que morar de aluguel é sempre pior do que comprar um imóvel. É comum ouvirmos afirmações como:

“Pagar aluguel é jogar dinheiro fora”

“Se você financiar, pelo menos estará pagando algo que é seu”

Esse é um paradigma dominante no Brasil, e muita gente toma essas afirmações como verdades absolutas.

Mas, será que é verdade mesmo?

É preciso analisar até quando vale a pena comprar ou alugar um imóvel, especialmente se for financiado, e neste artigo você irá descobrir como fazer uma análise simples para entender:

– O que vale mais a pena

– Quais os riscos dessa decisão

– Como conhecer mais sobre o assunto e decidir com maior segurança.

Desde já adianto: Irei explicar as questões financeiras, que são extremamente importantes para você enxergar com clareza a situação. Porém, questões psicológicas não devem ser deixadas de lado.

Então, vamos ao conteúdo!

Comprar ou Alugar um Imóvel?

comprar ou alugar

Para tomar esta importante decisão, você precisa avaliar os seguintes fatores:

  • Objetivos de Vida

A compra de um imóvel próprio é uma das maiores decisões financeiras que uma pessoa irá tomar durante a vida. O problema é que muitas vezes esta decisão não é necessariamente o que a pessoa realmente quer ou precisa naquele momento.

Avalie seus objetivos de vida e de carreira.

Quais são seus sonhos?

A casa própria é algo realmente importante para você?

Será que este é o momento correto para se prender a um local fixo e uma dívida de longo prazo?

  • Idade

A idade é outro fator importante, pois pessoas jovens podem esperar mais para poupar dinheiro e dar entrada ou comprar o imóvel à vista. Essas pessoas possuem o tempo ao seu favor.

Inclusive, se você é jovem e está no início da sua carreira profissional, não é recomendável adquirir um imóvel próprio. Nesta fase da vida, é comum surgirem surpresas e oportunidades profissionais, e você precisa ter mobilidade geográfica e financeira para aproveitá-las.

Este é o momento de investir em sua carreira, para que você consiga crescer rapidamente e ter uma renda razoável no futuro.

  • Riscos Financeiros

Além da idade, é preciso avaliar também a sua segurança financeira.

Como está o seu emprego?

Como está a economia?

Você tem segurança financeira para conseguir honrar as parcelas por décadas?

Por fim, outro fator importante é o próprio valor do imóvel no mercado: será que ele vai subir? Será que vai cair?

Tudo isso depende da economia. Se os juros estiverem altos, como é o momento atual, você pagará mais caro pelo financiamento. Avalie também o custo de oportunidade do dinheiro: quanto você poderia estar investindo se não tivesse contraído esta dívida?

Muita gente acha que pagar aluguel é jogar dinheiro fora, mas uma vez que analisamos isso com maior conhecimento financeiro, podemos avaliar esta decisão com maior seriedade e conhecimento.

Não se deixe levar por tradições e ditados populares. A decisão entre comprar ou alugar deve ser feita de maneira consciente.

Alugar um imóvel é jogar dinheiro fora?

vale a pena alugar ou financiar

Esta é uma crença muito comum. As pessoas acham que morar de aluguel é jogar dinheiro fora, pois, ao financiar você estará pagando por algo “que é seu”.

Mas… será que é verdade?

A resposta é fácil: não.

Vamos aos números:

Eu realizei uma rápida simulação no site da Caixa Econômica para o financiamento de um imóvel de R$ 200.000,00 por 420 meses, pela tabela SAC.

O resultado foi esse:

simulacao financiamento caixa

Se você não sabe, o sistema SAC é conhecido popularmente como um financiamento com parcelas decrescentes, e é o sistema mais comum para o financiamento de imóveis.

Isso significa que todos os meses você irá “quitar” (amortizar) o mesmo valor do saldo devedor. Com o tempo, o saldo devedor será reduzido, os juros também (pois irão incidir sobre um saldo cada vez menor) e consequentemente a parcela que você irá pagar ao banco.

Na simulação, a primeira parcela seria de R$ 1.764,45 e a última R$ 393,47.

Como todos os meses a amortização do saldo devedor é a mesma, a última parcela paga do financiamento no sistema SAC é o valor que será abatido do saldo devedor mensalmente.

Isso significa que, na primeira parcela, dos R$ 1.764,45, apenas R$ 393.47 serão usados para quitar a dívida, e todo o valor restante, ou seja, R$1.370,98 são somente juros.

Conclusão: ao pagar esta parcela, você estará jogando fora quase R$1.400,00!

Ao financiar, o imóvel não é seu. É do banco. A garantia do financiamento é o próprio imóvel. Se você deixar de pagar as parcelas, o banco irá tomar o imóvel de você.

Um financiamento nada mais é do que um empréstimo: você pegou dinheiro do banco, e em troca o banco fica com o imóvel. Ele só será realmente seu depois que o financiamento for quitado.

Ao financiar, você também estará pagando aluguel da mesma forma, mas ao invés do imóvel, você alugou o dinheiro do banco. E a parte ruim disso é que o “aluguel” deste dinheiro é muito caro – os juros dos financiamentos imobiliários são altos e a longo prazo.

Então, financiar também é jogar dinheiro fora. A questão é saber escolher em qual cenário você “perderá” menos dinheiro.

Casa Própria: Viver de Aluguel ou pagar o financiamento?

comprar ou morar de aluguel

Vamos agora para a dúvida principal: será que é melhor comprar ou alugar, considerando que o imóvel será financiado?

Voltando para a simulação que fiz no site da Caixa:

simulacao financiamento caixa

Neste caso, você irá comprar um imóvel de R$ 200.000,00, com R$ 46.584,64 de entrada e a quantia financiada será de R$ 153.415,36.

Além disso, temos os valores da primeira e última prestações:

financiamento caixa

Está me acompanhando?

Então vamos continuar…

O preço do aluguel de um imóvel normalmente gira em torno de 0,5% do seu valor.

Ou seja, se você alugasse um imóvel de R$ 200.000,00, pagaria em média R$ 1.000,00 por mês.

Este valor é uma aproximação, pois é possível negociar e conseguir valores menores do que os 0,5%. Inclusive, em época de saturação no mercado imobiliário, ou se o imóvel estiver desocupado há muito tempo, este preço será menor.

Se você escolhesse morar de aluguel, poderia poupar R$ 764,45 por mês, que seria a diferença entre o valor do aluguel e a primeira parcela do financiamento.

Então, logo no início você pode perceber o seguinte:

  • Ao invés de jogar fora R$ 1.400,00 somente com os juros do financiamento, você estará jogando fora apenas R$ 1.000,00 com o aluguel.

Vamos supor que ao invés de financiar, você irá investir o dinheiro da entrada R$ 46.584,64 somado a  R$ 700,00 mensais (que seria o valor aproximado da diferença entre a primeira parcela do financiamento e o valor do aluguel).

  • Investindo desta forma, você conseguirá R$ 200.000,00 em 10 anos. Enquanto que, no financiamento, você demorará 35 anos para quitar a dívida.
  • Se você apenas investir R$ 700,00 mensais, sem considerar o valor da entrada, conseguirá R$ 200.000,00 em 14 anos.

Mesmo considerando que o valor da parcela diminuirá com o tempo, o dinheiro poupado e investido irá crescer mais rapidamente do que a queda no valor das parcelas.

Observação: fiz estes cálculos simulando um investimento que paga 0,6% por mês, que é a rentabilidade média de um título do Tesouro Direto já descontando a inflação.

Percebeu a diferença?

Se olharmos o lado puramente financeiro, não vale a pena financiar. Se você deseja comprar um imóvel, provavelmente a melhor decisão é morar de aluguel e investir mensalmente durante alguns anos para comprar à vista no futuro.

Eu digo “provavelmente” porque este foi um cálculo simplificado, mas em geral os resultados são próximos da realidade.

Se você mora em São Paulo ou no Rio de Janeiro, encontrei esta calculadora online que mostra aproximadamente quando vale a pena alugar ou comprar, baseado em dados regionais:

Clique aqui para acessar o cálculo

É claro que um investimento destes exige disciplina, e existem muitas questões que não considerei nos cálculos, como a valorização do imóvel. É justamente sobre isso que vou falar no próximo tópico.

Imóvel sempre valoriza?

imovel sempre valoriza

Uma crença muito comum no Brasil é a de que os imóveis sempre valorizam. É comum encontrar na mídia notícias como “Preço dos Imóveis dobrou nos últimos 10 anos”.

Além disso, todos nós já ouvimos alguma história do vizinho da sua prima que comprou um terreno por R$ 20.000,00 e vendeu por R$ 100.000,00 em poucos anos.

O que precisamos avaliar nestes casos são quatro pontos importantes:

  • O preço dos imóveis aumenta todos os anos, assim como o preço de tudo aquilo que consumimos – é a chamada inflação. O que precisa ser avaliado, portanto, é a valorização (ou desvalorização) do preço do imóvel já descontando a inflação.

O gráfico abaixo mostra a série histórica de preços dos imóveis no Brasil segundo o índice FipeZap, já corrigido pela inflação IPCA:

tabela fipezap valorizacao imovel

Em uma linguagem simples, o gráfico mostra qual é o aumento ou queda de preço de um imóvel hipotético de R$ 100,00 a partir de 1979.

Observe que em 2015 os imóveis atingiram o valor de R$ 159,35, ou seja, uma valorização de apenas 53.38% em 36 anos. Trata-se de uma valorização média de apenas 1,23% ao ano. É possível conseguir rentabilidades superiores a este valor investindo no mercado financeiro.

Segundo o site RExperts:

“Uma das explicações de porquê tanta gente tem o costume de dizer que os imóveis valorizam muito é que, durante o período de hiperinflação, a referência de valor ficou muito confusa e as pessoas não sabiam se os preços estavam valorizando ou apenas acompanhando a inflação. Se, por exemplo, um imóvel passava de C$ 60 mil (cruzados, cruzeiros ou qualquer outra moeda da época) para C$ 600 mil em um ano (valorização de 10x), porém a correção inflacionária do período era de 15x (muito comum nessa época), o imóvel havia perdido valor, mas a percepção era de que o imóvel tinha se valorizado 10 vezes”. (Fonte)

  • Houve um boom imobiliário no Brasil nos últimos anos, isso é verdade. Porém, será que esta hipervalorização é uma regra? Claramente, períodos de picos como o que ocorreu há alguns anos atrás não são sustentáveis economicamente, e você não deve leva-los em consideração ao tomar qualquer tipo de decisão. A economia é cíclica. Inclusive já é possível notar uma desvalorização no preço dos imóveis nos últimos 12 meses (fonte).
  • Será que esta valorização é alta o suficiente para compensar os custos com os juros dos financiamentos por 20 ou 30 anos?
  • Estes índices normalmente consideram os preços anunciados – e não os preços reais. É comum, especialmente em épocas de crise, que os valores anunciados sejam muito maiores do que o valor real da venda após todas as negociações.

Observe que a afirmação de que “imóveis sempre valorizam” é um mito. Tudo depende dos ciclos econômicos e do período de tempo que você está analisando.

Imóvel não é investimento

vale a pena investir em imoveis

Se você chegou até aqui, provavelmente está pensando que eu sou completamente contra a compra de imóveis…

… e isso não é verdade.

No tópico anterior, revelei alguns números para que você não se deixe levar por notícias oportunistas e crenças populares ao decidir entre comprar ou alugar. É preciso analisar os fatos com números reais e conhecimento sobre o assunto.

Você deve entender a diferença entre os ativos e passivos financeiros. Ao tomar a decisão entre comprar ou alugar, você precisa ter em mente que isto não é um investimento, e sim um custo.

Ativos x passivos financeiros

Ativo financeiro é tudo aquilo que coloca dinheiro no seu bolso. Ou seja, produtos que você adquire com o objetivo de rentabilizar e ganhar dinheiro. Investimentos financeiros como a poupança, Tesouro Direto, CDBs e ações são considerados ativos financeiros.

Já um passivo são bens e serviços que geram despesas para você.

Sendo assim, ao adquirir um imóvel para morar, ele será um passivo do ponto de vista financeiro, pois você terá custos com a manutenção, reformas, impostos e condomínio.

Se você compra um imóvel para morar, a valorização dele não irá te afetar, pois você não irá vende-lo só porque o preço subiu. A decisão de venda ocorrerá conforme seus objetivos de vida, como o nascimento de um filho, mudança de emprego ou mudança de cidade.

Um imóvel só é um ativo financeiro, ou seja, um investimento, se você comprar com a clara intenção de venda ou aluguel. Por exemplo, investidores que compram imóveis na planta e colocam à venda após a construção, ou aqueles que compram casas para ganhar dinheiro com os aluguéis.

É possível ganhar dinheiro investindo em imóveis físicos, desde que seja feito da maneira correta. Se você tem interesse neste assunto, recomendo acessar o Livro Negro dos Imóveis do especialista Leandro Ávila. Já para quem tem pouco dinheiro mas quer investir em imóveis, uma excelente opção são os Fundos Imobiliários.

Então, ao decidir entre comprar ou alugar, você não deve considerar o imóvel como um investimento.

Decidi comprar o imóvel, e agora?

comprar um imóvel

A decisão entre comprar ou alugar não é somente financeira, mas também emocional. Nós sabemos que muitas vezes queremos ter o nosso próprio canto, para poder reformar e personalizar a casa da maneira que quisermos, sem depender da aprovação do proprietário.

Além disso, a desvantagem do aluguel é que os contratos são temporários, e muitas pessoas não gostam de mudanças.

Vamos supor que você analisou os fatores emocionais e financeiros e decidiu que quer comprar o imóvel, mas não pode esperar anos ou décadas para pagar tudo à vista.

Então, o que fazer neste caso? Veja aqui as recomendações:

  1. Acabe com as outras dívidas primeiro

Lembre-se que o financiamento de um imóvel será provavelmente a maior e mais importante dívida da sua vida. Então, antes de qualquer decisão, é preciso acabar com as outras dívidas primeiro, especialmente as descontroladas.

Ao comprar a casa própria, você precisará desembolsar um valor considerável para a entrada e as prestações iniciais também são mais caras.

Elimine o seu saldo devedor de cartões de crédito, empréstimos, prestações ou outros financiamentos antes de iniciar o financiamento da sua casa própria.

Esta ação trará maior segurança financeira e evitará que você piore ainda mais o seu quadro de endividamento.

  1. Prepare-se para os juros altos

Já que você não irá comprar o imóvel à vista, tente minimizar o dano. O ideal é procurar as melhores condições possíveis para o financiamento. Você não deve olhar somente para o valor das parcelas mensais, mas também para as taxas de juros e o prazo do financiamento.

Para que você perca menos dinheiro, é interessante pagar a maior entrada possível e reduzir o tempo do financiamento. Desta forma, os juros irão incidir sobre um montante menor de dinheiro e você estará comprometido com a dívida por menos tempo.

Financiamentos longos são comuns, mas extremamente perigosos. É preciso avaliar friamente se você terá condições financeiras de arcar com o pagamento desta dívida por décadas.

  1. Organize sua vida financeira

O pagamento das parcelas do financiamento é considerado uma dívida controlada, e, portanto, deve estar de acordo com o seu orçamento mensal.

Além disso, é importante ter uma reserva de emergência e um planejamento financeiro, para que você tenha mais segurança na hora de tomar a sua decisão.

Conclusão

Nos tópicos anteriores, você descobriu quais são as crenças comuns e alguns exemplos numéricos sobre se é mais vantajoso comprar ou alugar.

Na maioria dos casos vale a pena alugar e investir a diferença entre o aluguel e a parcela do financiamento. Se você já tem dinheiro guardado, melhor ainda: invista essa quantia e, juntamente com o valor mensal que será poupado morando de aluguel, será possível pagar o imóvel à vista em menos tempo.

Ao comprar à vista você terá um poder de negociação enorme e conseguirá grandes descontos no valor final, além de começar a sua vida nova livre de dívidas.

Se você decidir financiar o imóvel, o ideal é conseguir poupar o maior valor possível para a entrada e reduzir ao máximo o número de parcelas. Nunca se esqueça que o financiamento é uma dívida, e o ideal é quitá-la o mais rápido possível.

É claro que a decisão final entre comprar ou alugar não é somente financeira. Você precisa também avaliar a parte emocional, seus sonhos, objetivos e a situação familiar.

Esta é uma decisão que eu não posso tomar por você.

Neste artigo, apenas apresentei justificativas 100% racionais e frias. Se você acredita que comprar um imóvel próprio trará mais qualidade de vida e isso compensa as perdas financeiras, vá em frente. Lembre-se apenas de preparar seu orçamento para arcar com estas despesas.

O valor do aluguel, taxas de juros do financiamento, rentabilidade dos investimentos, valor da entrada e das parcelas mensais são os números que você precisará avaliar para decidir entre comprar ou alugar.

Para facilitar a sua vida, vou colocar aqui os links de algumas calculadoras online:

– Simulação do financiamento da Caixa

– Comparador de compra ou financiamento de imóveis

– Calculadora FipeZAP (São Paulo e Rio de Janeiro)

Se você quer saber mais sobre financiamento de imóveis, recomendo o Livro Negro do Financiamento de Imóveis do especialista Leandro Ávila.

Já para aprender a investir dinheiro, leia este artigo e confira o Curso Aprenda a Investir, que criei especialmente para quem deseja aprender a poupar dinheiro, investir corretamente, mas está começando do zero.

Espero que este artigo tenha servido para esclarecer os principais pontos a serem avaliados ao decidir entre comprar e alugar.

E agora, eu gostaria de saber: você tem alguma dúvida, discorda de algum ponto ou possui alguma informação complementar sobre este assunto? Deixe aqui seus comentários!

por -
2
corretora para investir

Você sabia que a maioria das pessoas perde dinheiro ao investir dinheiro por pura falta de atenção?

É isso mesmo. Muita gente começa a investir e, por falta de atenção e paciência, compra ações e papéis através do banco.

O problema é que elas perdem muito dinheiro com isso!

Neste artigo, você descobrirá a importância de investir através das corretoras de valores e o que você precisa avaliar para escolher a melhor corretora para seus investimentos.

Então, vamos ao conteúdo!

 

Eu preciso abrir uma conta em uma corretora de valores?

corretora de valores

As corretoras funcionam como agentes intermediários na operação de compra e venda de ativos financeiros. Pessoas físicas não podem comprar ações ou títulos do Tesouro Direto de forma direta, por isso é necessário ter esta intermediação.

Outros investimentos bancários, como CDB, LCI e LCA não precisam, necessariamente, serem realizados através das corretoras. É possível adquiri-los diretamente com o banco, mas a vantagem de investir nestes ativos pelas corretoras é que estas normalmente possuem parcerias com vários bancos grandes e pequenos, e oferecem uma grande variedade de títulos, prazos e valores.

Os bancos também funcionam como corretoras. Porém, estes cobram taxas altas para realizar estas operações, gerando custos desnecessários para o seu investimento. Além disso, no caso dos investimentos bancários em renda fixa, a maioria dos bancos grandes não oferece títulos de bancos fora da sua rede cooperada, reduzindo o número de opções para o investidor.

Além de reduzir custos, abrir uma conta em uma corretora de valores independente trará a você a facilidade de gerenciar todos os seus investimentos em um só local.

 

Critérios para Escolher uma Corretora de Valores

Para escolher a melhor corretora para você, é preciso analisar alguns fatores importantes:

1- Preço  

melhor corretora de valores para investir

Existem uma série de custos e taxas cobradas pelas corretoras de valores, e é preciso avaliar cada um com cautela antes de abrir a sua conta:

Taxas de corretagem

As taxas de corretagem são cobradas pelas operações de compra de investimentos como ações e fundos imobiliários, e, portanto, são importantes para quem investe nestes ativos financeiros.

Normalmente, as taxas de corretagem variam entre R$ 10,00 e R$ 15,00 por operação. É importante observar que algumas corretoras não cobram taxa de corretagem se houver um número mínimo de operações de compra por mês.

Outras, ainda, cobram uma % no valor investido ao invés de um valor fixo. Essa modalidade de cobrança é vantajosa para quem investe pouco dinheiro ou realiza poucas operações por mês.

Taxas de administração

As taxas de administração são cobradas para manter os seus investimentos. No caso do Tesouro Direto, a taxa de administração é anual, cobrada no momento da compra do título e a cada 12 meses da data do investimento. Existem muitas corretoras que não cobram esta taxa.

O valor comumente cobrado para investimentos no Tesouro Direto é de 0,1% a.a. até 0,3% a.a. para as corretoras independentes e 0,4% a.a. até 0,5% a.a. para as corretoras dos bancos.

À primeira vista, pode parecer que as taxas cobradas por bancos não são altas, porém se considerarmos que existem corretoras que cobram muito pouco ou são isentas, investir no Tesouro Direto pelo seu banco somente trará um custo desnecessário.  Especialmente para investimentos de longo prazo, estas taxas podem representar uma quantia grande de dinheiro.

Você pode consultar o ranking das taxas de administração cobradas pelas corretoras para o Tesouro Direto neste link: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-ranking-dos-agentes-de-custodia

Atenção:  há uma taxa de custódia da BM&FBOVESPA de 0,30% ao ano sobre o valor dos títulos do Tesouro Direto, referente aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações dos saldos, que é cobrada semestralmente. Essa taxa é cobrada proporcionalmente ao período em que o investidor mantiver o título.

Você não precisa se preocupar com o pagamento desta taxa da Bovespa, pois as corretoras enviam mensagens quando a data de cobrança se aproxima, para que você deixe este saldo disponível na conta. Esta taxa de 0,3% a.a. é fixa, independente da corretora, e é paga diretamente para a BM&FBovespa.

Taxas de custódia

As taxas de custódia são cobradas pelas corretoras de valores mensalmente para manter os investimentos em renda variável.

O valor desta taxa varia conforme o investimento. Para investimentos em renda variável, muitas corretoras não a cobram se houver um número mínimo de negociações por mês (por exemplo, uma operação de compra de ações). Quando há cobrança, o valor pode variar entre 7 e 40 reais.

Banco (taxas de TED DOC)

Antes de enviar seu dinheiro para a conta da corretora, é importante lembrar que haverá a cobrança do TED ou DOC.

Para evitar esta taxa, existem algumas alternativas:

  • Negociar um número maior de DOC/TED gratuitos em seu banco
  • Abrir uma conta digital, na qual não há cobrança de taxas.
  • Abrir uma conta em uma corretora que possua isenção desta taxa
  • Evitar transferir quantias pequenas por vez.

A conta digital é uma excelente alternativa para evitar estas taxas. Nessa modalidade de conta corrente, você tem acesso a todo o pacote de serviços do banco que são realizados via internet banking ou nos terminais de autoatendimento. A única restrição da conta digital é a realização de saques e transferências no caixa físico. Você pode verificar se existe esta modalidade no seu banco. Atualmente, as contas digitais mais comuns são a Iconta, do Itaú e a DigiConta, do Bradesco.

Se você investe pouco dinheiro, as opções são buscar uma corretora que tenha isenção nestas taxas (como por exemplo a Easyinvest) ou guardar o dinheiro na poupança por alguns meses até ter uma quantia maior e aí sim transferir para a corretora e investir em produtos mais rentáveis.

 Taxas de Resgate

Custos para transferência dos investimentos (taxa de resgate). Muitas corretoras não cobram esta taxa.

 

2- Atendimento

corretora bolsa de valores

Apesar do preço das taxas ser um fator muito importante para escolher a melhor corretora de valores, ele não deve ser o único fator a ser levado em consideração. O atendimento ao cliente é extremamente importante, especialmente para quem está começando a investir. Existem muitas corretoras que disponibilizam ferramentas de chat ao vivo, treinamentos, consultorias, telefones e diversos outros canais de suporte ao investidor.

Antes de abrir a sua conta, envie um e-mail ou acione algum dos canais de suporte da corretora e avalie o tratamento recebido. É importante que a corretora possua um bom atendimento, assim você estará livre de dores de cabeça no futuro.

Além disso, é interessante que o site da corretora possua uma interface amigável para o usuário, para que você consiga acessar facilmente as informações que precisa.

 

3- Ferramentas Oferecidas

corretora rico

As corretoras de valores também devem disponibilizar algumas ferramentas para o investidor. Se você deseja investir no Tesouro Direto, é interessante abrir a conta em uma corretora que seja integrada ao sistema do Tesouro Nacional, para que você consiga comprar seus títulos diretamente através do site da corretora, sem precisar acessar a plataforma do Tesouro Direto. A tabela dos agentes de custódia no site oficial do Tesouro Direto mostra quais são as corretoras que possuem sistemas integrados: Clique Aqui para Acessar

 

4- Segurança

O ponto principal ao escolher a corretora de valores é a segurança. Ao investir dinheiro, os papéis e ações deverão ficar registrados sempre em seu nome e CPF. A corretora é apenas o agente intermediário, mas você é o proprietário de todos os seus investimentos. Desta forma, se a corretora falir, você não perderá seu dinheiro.

Para garantir que este registro seja feito da maneira correta, existem alguns órgãos regulamentadores destas operações:

Registro na CVM

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é uma entidade vinculada ao ministério da Fazenda e sua função é fiscalizar, normatizar, disciplinar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no Brasil. Ou seja, a CVM monitora o mercado, investiga e processa agentes de custódia (corretoras) que possuam operações fraudulentas.

melhor corretoraÉ extremamente importante que você verifique se a corretora está registrada na CVM antes de abrir a sua conta. A consulta pode ser feita neste link, basta inserir a Razão Social ou o CNPJ da corretora.

Retail Broker BM&FBovespa

corretora seguraUma informação importante para quem está começando a investir é que as corretoras não guardam os papéis e títulos adquiridos, e sim a BM&FBovespa (Antiga Câmara Brasileira de Liquidação e Custódia – CBLC).

Você pode buscar as corretoras registradas diretamente no site da BM&FBovespa através deste link:  Clique Aqui para Acessar

Para que uma corretora de valores seja confiável, ela deve seguir uma série de requisitos e indicadores operacionais.  Por este motivo, a BM&FBovespa criou o selo Retail Broker, que atesta a qualidade dos serviços prestados para os investidores. Investir em uma corretora que possua este selo é garantia de qualidade, satisfação e segurança nos serviços prestados.

As corretoras que possuem o selo Retail Broker na data de publicação deste artigo são:

corretoras tesouro direto

Você pode consultar a lista atualizada neste link

Títulos Privados de Renda Fixa: Selo CETIP Certifica

selo cetip certificaO Selo CETIP Certifica é uma certificação que comprova o registro da compra dos títulos de renda fixa privados (CDB, LCI, LCA, Debêntures, entre outros) em seu nome e CPF.

Se você deseja investir em LCI, LCA, CDB, Debêntures ou quaisquer outros investimentos de renda fixa privados através das corretoras de valores (e não diretamente com o banco emissor dos títulos), é recomendável abrir sua conta em uma corretora de valores que possua o Selo CETIP Certifica. Você pode consultar as instituições cadastradas neste link.

Corretoras para investir no Tesouro Direto

No caso do Tesouro Direto, assim como nos demais investimentos, os títulos ficarão em seu nome e CPF, e são guardados pela BM&FBovespa. Ao adquirir ou vender um título pelo site da corretora, você irá receber um e-mail da BM&FBovespa informando sobre a transação assim que ela for efetuada. Na imagem abaixo você pode conferir parte da tabela oficial, que também mostra as taxas cobradas, prazos e integração ou não com o sistema do Tesouro Nacional:

melhor corretora tesouro direto
Tabela de Corretoras do Tesouro Direto

No site do Tesouro Direto, você pode encontrar a lista completa das corretoras habilitadas: Clique Aqui para acessar.

5- Reputação

A primeira coisa que você deve fazer antes de abrir sua conta em uma corretora de valores é buscar informações sobre ela em outros sites e portais de notícias. Normalmente, corretoras com problemas na justiça e histórico de fraudes possuem um grande histórico de notícias polêmicas e reclamações.

Porém, tome cuidado com sites como o ReclameAqui. Apesar de ser uma boa fonte de informações, já vi muitas reclamações em que o cliente não soube investir corretamente e colocou a culpa na corretora.

Por fim, pergunte a pessoas que já possuem conta nestas corretoras, veja como é o atendimento e verifique se estas já tiveram algum problema.

 

Estou perdido (a), por onde começo?

 

Para facilitar a sua vida, aqui vão as 3 etapas para você escolher uma corretora de valores:

  1. Segurança: Buscar o Registro na CVM, Selo CETIP Certifica, Selo Retail Broker e informações em portais de notícias
  2. Avaliar as taxas e custos para Tesouro Direto, Ações e Títulos de Renda Fixa, conforme o tipo de investimento que você irá fazer.
  3. Testar os canais de suporte e atendimento e avaliar a interface do site como um todo.

Atualmente, eu possuo conta nas corretoras Spinelli, EasyInvest e Rico e estou satisfeita com todas elas. Além destas, também conheço pessoas que testaram e aprovaram as corretoras XP Investimentos e Socopa.

É importante ressaltar que esta não é uma recomendação direta para você abrir sua conta em qualquer uma das corretoras de valores acima, e sim apenas uma orientação com relação às corretoras mais utilizadas pelos investidores que eu conheço.

 

Como Abrir uma Conta em uma Corretora de Valores?

Agora, chegou a hora de colocar a mão na massa: abrir a sua conta na corretora.

Este processo é extremamente simples. A maioria das corretoras funcionam de maneira 100% online, ou seja, o processo é todo feito pela internet.

Para abrir a sua conta, basta entrar no site da corretora e preencher o formulário com as suas informações pessoais.

As corretoras também pedem o preenchimento de um pequeno questionário sobre seu perfil de investidor. Não se preocupe com este questionário, ele apenas irá influenciar o tipo de oportunidades de investimentos que a corretora irá enviar a você, normalmente na forma de e-mails semanais.

No momento do cadastro, ou logo após, será preciso cadastrar também a sua conta corrente pessoal, que você irá utilizar para transferir ou resgatar o dinheiro da corretora. É possível cadastrar mais de uma conta corrente, porém todas devem estar em seu nome e CPF. Por motivos de segurança, as corretoras não permitem a transferências de recursos para contas de terceiros.

Após o preenchimento do cadastro, basta enviar os documentos solicitados via e-mail, fax ou correio. Estes documentos normalmente são:

  • Ficha Cadastral e o Contrato de Intermediação Bovespa e/ou BM&F assinados;
  • Cópia simples e legível do RG ou do documento comprobatório informado no cadastramento;
  • Cópia simples e legível do CPF ;
  • Cópia simples e legível do Comprovante de Residência com data recente.

Menores de idade podem possuir conta em corretoras, e nestes casos é preciso enviar também os documentos do titular responsável.

Após o envio destes documentos, seu cadastro ficará sob análise e será aprovado dentro de alguns dias.

Assim que seu cadastro for aprovado, você já poderá enviar o dinheiro da sua conta corrente para a corretora e começar a investir.

 

Recapitulando…

Abrir a sua conta em uma corretora de valores pode parecer assustador no início, principalmente porque você estará transferindo seu dinheiro para um terreno até então desconhecido. Investir no sistema do seu próprio banco pode parecer seguro e confortável, porém saiba que você estará pagando um alto preço por isso.

Para escolher a corretora ideal para você, é importante avaliar os custos envolvidos nos investimentos, a existência de mensalidades para manter a conta ativa e os possíveis custos com transferências via TED/DOC.

Atualmente existem corretoras grandes e confiáveis no Brasil. Para ter mais segurança, é importante que você verifique o registro na CVM, busque pela corretora no sistema da BM&FBovespa, na lista de instituições financeiras do Tesouro Direto e, para investimentos em CDB, LCI e LCA, no site da CETIP.

Agora, uma dica: Você pode abrir contas em várias corretoras, conforme os tipos de investimentos. Não existe a corretora perfeita, e dependendo do investimento, uma pode ser mais vantajosa do que a outra, tanto com relação aos custos quanto a disponibilidade de consultorias e treinamentos.

começar a investir dinheiro

Começar a investir dinheiro é a melhor decisão que você tomará na sua vida, e abrir sua conta em uma corretora é o primeiro passo.

Você irá aprender muito durante este processo e , principalmente, poderá tomar suas decisões por conta própria, valorizar seu trabalho e o seu salário e atingir a independência financeira, segurança e tranquilidade para o seu futuro e o da sua família.

Não deixe esta oportunidade passar por medo de investir ou preguiça de tomar ações tão simples como abrir a sua conta em uma corretora de valores. Mas, se você está se sentindo perdido e não sabe o que fazer nem por onde começar, eu tenho uma ótima notícia: Eu posso te ajudar!

Para aqueles que não sabem investir e tem medo de tirar o dinheiro da poupança, eu criei um material completo e exclusivo, com um passo-a-passo para você fazer o seu planejamento financeiro e começar a investir, mesmo sem ter nenhum conhecimento sobre o assunto. Você pode conferir este material neste link.

Além de aprender a fazer um planejamento financeiro, organizar seu orçamento mensal, aprender sobre cada investimento, suas vantagens, desvantagens, o passo-a-passo para investir e, principalmente, como escolher os melhores investimentos para o seu dinheiro, você também terá acesso a um bônus especial que criei , com a análise completa das maiores corretoras do país  🙂 Clique Aqui e confira agora mesmo

E você, possui ou vai abrir sua conta em alguma corretora? Tem alguma dúvida sobre isso? Deixe aqui seu comentário 🙂

por -
2

Como Investir com pouco dinheiro? Esta é a pergunta que recebo todos os dias de pessoas que desejam aplicar seu dinheiro em produtos financeiros melhores que a poupança mas não sabem por onde começar.

Não há dúvidas de que a poupança é o investimento mais popular e acessível do país. Porém existem outras opções igualmente acessíveis e mais rentáveis no mercado financeiro. Inclusive, muitas vezes as pessoas recorrem aos títulos de capitalização e até a previdência privada como opções que exigem baixo investimento mensal – e na maioria das vezes não é a melhor escolha.

Neste artigo, você irá conhecer algumas opções interessantes para investir com pouco dinheiro, como o Tesouro Direto, a Bolsa de Valores e também alguns investimentos bancários que podem ser vantajosos. Mas, antes disso, é preciso entender se realmente vale a pena realizar este tipo de investimento e qual é o tipo de planejamento que deve ser feito para cada caso.

 

Vale a pena investir com pouco dinheiro?

Uma dúvida comum das pessoas é saber se realmente vale a pena investir com pouco dinheiro. Muitas vezes nos deparamos com investimentos muito rentáveis, operações milionárias na bolsa de valores e bancos cobrando acima de R$ 50 mil como investimento inicial em uma LCA.

E você, com seus R$ 50,00 ou R$ 100,00 por mês para investir (ás vezes até menos dependendo da situação), poderá mesmo entrar no mercado financeiro?

como investir com pouco dinheiro

Na realidade, as únicas restrições para quem quer investir com pouco dinheiro são o investimento inicial exigido e uma característica importante dos investimentos que irei falar ao final deste artigo (então continue lendo!)

O investimento inicial exigido é importante principalmente para investimentos em bancos privados, como os CDBs, as LCIs e LCAs. Dependendo dos títulos oferecidos e da rentabilidade, este valor pode ultrapassar os 5 dígitos. Muitos bancos possuem títulos com menor investimento inicial, como o Banco do Brasil, que vez ou outra oferece CDBs a partir de R$ 1.000,00, mas normalmente com menores rentabilidades.

Por outro lado, existem outros investimentos que não possuem valor mínimo inicial, ou exigem um valor baixo, tão baixo quanto R$ 30,00. Será então que vale a pena investir essa quantia?

A verdade é que não importa o valor do investimento, o principal ponto a ser considerado é o poder dos Juros Compostos. Ao investir seu dinheiro, este irá render juros sobre juros, e a longo prazo um pequeno investimento pode virar uma enorme bola de neve. O segredo para quem tem pouco dinheiro para investir é focar no médio e longo prazo. É possível conseguir uma aposentaria milionária investindo apenas R$ 100,00 por mês, desde que você possua disciplina e foque no longo prazo.

Se você não acredita em mim, vamos aos números:

  • Se você investir R$ 100,00 por 10 anos a uma taxa de 0.8% a.m., você terá:

R$ 20.021,75, sendo R$ 12.000,00 investidos e R$ 8.021,75 somente em juros

Vamos aumentar o prazo.

  • Supondo que você é um jovem de 21 anos começando a sua carreira profissional, e quer investir R$ 100,00 para a aposentadoria, aos 65 anos. Ao final do período, com a mesma taxa do exemplo anterior, você terá:

R$ 827.097,17 sendo R$ 52.800,00 investidos e R$ 774.297,17 ganhos em juros.

Viu só? Se você começar cedo, com R$ 100,00 por mês, ao se aposentar irá ganhar mais de R$770 mil somente em juros!

Claro, este é um cálculo simples, não considerei a inflação e os impostos, e na prática o valor será um pouco menor que esse… mas mesmo assim são quantias impressionantes!

Se considerarmos que provavelmente no futuro você conseguirá investir mais do que R$ 100,00, o tempo para atingir valores altos será reduzido drasticamente. E com planejamento financeiro e disciplina, é perfeitamente possível.

O que eu quero mostrar a você neste tópico é que você pode ganhar dinheiro com juros, pois o dinheiro estará trabalhando para você. Mesmo se considerarmos períodos pequenos como poucos anos, qualquer quantia investida irá gerar ganho de capital em juros compostos – um dinheiro que você não precisou trabalhar para conseguir.

Então, vale sim muito a pena investir com pouco dinheiro. Mas também existe outro ponto a ser considerado aqui: afinal de contas, por qual motivo você está com pouco dinheiro para investir??

Isso nos leva a uma profunda reflexão… que é o que iremos discutir no próximo tópico.

 

Uma Importante Consideração…

Antes de revelar a você as opções para investir com pouco dinheiro, é preciso ter certeza se esta realmente é a solução para o problema.

Antes de qualquer coisa, é preciso entender dois pontos principais:

  • Para quê você quer investir seu Dinheiro
  • Por qual motivo você está com pouco dinheiro para investir hoje

como ter mais dinheiro para investir

A resposta da primeira pergunta é importantíssima, pois, como sempre bato nesta tecla, é preciso ter um planejamento financeiro e saber quais são os objetivos para o seu dinheiro.

Todos nós sabemos que é importante investir, que precisamos garantir o futuro… Mas mas qual é , exatamente, o seu planejamento para garantir este futuro?

Como você quer ter esta segurança financeira?

Quanto dinheiro representaria esta segurança? 3x o seu salário? R$1 Milhão?

Você consegue visualizar , em um futuro próximo, ter mais dinheiro para investir? E em um futuro a médio prazo?

Se você não consegue visualizar esta melhora, quais são os motivos?

O que você pode, e está disposto(a) a fazer para atingir este objetivo?

É importante ter em mente que investimentos para o futuro e para a realização de sonhos não são apenas financeiros. O dinheiro é uma parte importante na nossa vida, e conseguimos traduzir muitas coisas em valores monetários, mas para garantir o futuro e realizar nossos sonhos, existem também outros caminhos.

Se hoje você tem pouco dinheiro para investir, é porque sua renda e seus gastos não permitem poupar uma quantia maior. E aí entram dois fatores:

  • O quanto você ganha
  • O quanto você gasta

É preciso refletir se o motivo de precisar investir pouco dinheiro é devido aos gastos que você não consegue (ou não tentou) reduzir ou se é devido á sua renda. Já adianto: na esmagadora maioria dos casos é a primeira opção. Sendo assim, é preciso criar ou reavaliar o orçamento mensal e o seu planejamento financeiro.

O segundo caso, que é relativo á renda, ocorre principalmente com jovens em início de carreira profissional. Muitas vezes quando saímos da escola ou da faculdade e adentramos no mercado de trabalho, começamos com salários mais baixos. Você precisa avaliar se não seria vantajoso usar parte deste dinheiro poupado para investir também na sua  educação e qualificação profissional.

Vejo muitos jovens cometerem este “erro”. Coloquei entre aspas porque ele não é exatamente um erro, e sim uma falta de prioridades. Se você é um estagiário, aprendiz, possui algum cargo júnior, bolsista ou está ainda nos primeiros anos da sua vida profissional e por este motivo ganha pouco e não tem muito dinheiro para investir, pode ser uma boa ideia usar parte do dinheiro poupado para investir em qualificações profissionais como cursos, faculdade, pós graduação e cursos de idiomas para conseguir cargos melhores no futuro .

Vale frisar que é interessante começar a investir desde cedo, porém você pode, e deve, separar uma parte do dinheiro poupado para investimentos não financeiros.

O objetivo principal deste tópico é mudar a sua forma de enxergar a situação: o problema não é encontrar opções para investir com pouco dinheiro, e sim encontrar formas para poder investir mais dinheiro hoje e, principalmente, no futuro.

Agora, tendo isso em mente, vamos finalmente conhecer as opções de investimentos com pouco dinheiro.

 

Invista a partir de R$ 30 Reais no Tesouro Direto

Uma opção segura e rentável para quem quer investir com pouco dinheiro são os títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional, conhecido como Tesouro Direto.

O Tesouro Direto permite aplicações a partir de 1% do valor nominal do título ou apenas R$ 30,00, prevalecendo o maior valor. Observe que é realmente um valor muito acessível para quem tem pouco dinheiro para investir.

As principais vantagens do Tesouro Direto são a alta rentabilidade, segurança (inclusive, ele é mais seguro que a própria poupança), variedade de títulos, prazos e rentabilidades e a facilidade para investir.

Para aprender mais sobre o Tesouro Direto, leia os artigos que já publiquei sobre este investimento:

Além do Tesouro Direto, existem outras opções melhores que a poupança dentro da renda fixa, como o CDB, LCI e LCA.

 

CDB, LCI e LCA também são opções

Apesar das melhores rentabilidades destes investimentos estarem relacionadas a altos investimentos iniciais, alguns bancos oferecem títulos a partir de R$ 1.000,00. Nestes casos, é preciso pesquisar, dentro do seu próprio banco ou em outros bancos se você tiver conta em uma corretora de valores.

Mas, fique atento(a): muitas vezes os bancos não revelam os valores das taxas e impostos , especialmente no caso dos CDBs. Alguns inclusive podem render menos que a poupança.

Se você deseja uma recomendação pessoal, acredito que o Tesouro Direto seja mais vantajoso do que estes títulos privados para quem tem pouco dinheiro.  Porém não podemos descartar estas opções.

Além da renda fixa, existe a possibilidade de investir na bolsa de valores com pouco dinheiro, basta escolher a estratégia correta. É sobre isso que irei discutir no próximo tópico.

 

Como Investir na Bolsa de Valores com Pouco Dinheiro

Muitas pessoas enxergam a bolsa de valores como um ambiente somente para ricos. Operações milionárias acontecem todos os dias, isso é verdade, mas é possível ter uma carteira diversificada na bolsa de valores com pouco dinheiro, basta saber escolher os papéis corretos.

A recomendação dos especialistas para ter uma carteira segura, rentável e diversificada na bolsa de valores, é investir em 60 ou mais ações de empresas diferentes, ou 10 empresas, para uma carteira minimamente diversificada.

O problema é que, se considerarmos os custos de corretagem (cerca de R$ 10,00 por operação), é recomendável investir pelo menos R$ 1.000,00 em cada operação, para que os custos não prejudiquem completamente a rentabilidade dos papéis. Logo, se você investir o mínimo recomendado, irá precisar de R$ 10.000,00. Para quem ficou feliz com os R$ 30,00 do Tesouro Direto, R$ 10 Mil na bolsa parece inviável, não é?

Uma excelente opção para quem quer investir na bolsa de valores com pouco dinheiro são os ETFs. Estes papéis são fundos de índice negociados diretamente na Bovespa, e cada fundo investe em vários papéis ao mesmo tempo.

Os ETFs funcionam como fundos de investimento, porém possuem taxas menores que os fundos oferecidos pelas instituições financeiras. A rentabilidade do ETF sempre irá espelhar algum índice do mercado.

Por exemplo, o ETF Bova11 espelha o índice Ibovespa, que mede a rentabilidade das ações mais negociadas em bolsa. Ao comprar este ETF, é como se o investidor estivesse comprando as 60 ações que compõem o índice em questão.

A grande vantagem de investir em ETFs é que você terá uma carteira de ações diversificada com pouco dinheiro e somente precisará acompanhar o índice de mercado que o fundo espelha.

Outra opção são os fundos de renda variável oferecidos por bancos e corretoras, porém é preciso prestar muita atenção para as taxas cobradas e o valor mínimo inicial exigido.

Recapitulando…

Apesar do que muita gente acredita, investir dinheiro não é coisa de gente rica, e é perfeitamente possível investir com pouco dinheiro de maneira segura e rentável.

Existem investimentos melhores que a poupança que permitem aplicações iniciais de R$ 30,00 como o Tesouro Direto. Outras opções são os títulos bancários e a própria bolsa de valores através dos ETFs.

Os pontos principais para quem quer investir com pouco dinheiro é prestar atenção à quantia mínima exigida pelas instituições e aos custos da operação, principalmente na bolsa de valores.

Para finalizar, lembre-se que a questão principal é avaliar como estão as suas finanças e o que te impede, hoje, de investir quantias maiores e atingir seus objetivos mais rapidamente.

Espero que tenha gostado do artigo 🙂

Deixe aqui seu comentário e compartilhe o conhecimento com seus amigos!

 

por -
2
melhor investimento para render mais

Muitas pessoas me perguntam qual é o melhor investimento hoje, baseado na situação política e econômica do país. Além disso, todos os dias recebo perguntas do tipo:

– Hevlin, tenho R$ X, qual é o melhor investimento para mim?

– Quero comprar um imóvel, como investir meu dinheiro?

A verdade é que essa pergunta não possui, e nunca possuirá, uma resposta óbvia ou universal. Seu gerente de banco poderá até sugerir algumas opções, mas muito provavelmente serão produtos do próprio banco, pois ele possui metas a bater, e afinal de contas vender serviços a você é o ganha pão dele.

Participo de muitos grupos sobre finanças, dinheiro e economia e é muito comum surgirem tópicos todos os dias com esse tipo de dúvida, e com várias pessoas sugerindo e tentando ajudar nas respostas. Isso é ótimo, promove uma boa integração entre os membros, mas para que isso seja algo realmente benéfico, cada um deveria saber os requisitos para escolher o melhor investimento hoje para si mesmo, sem depender da ajuda de ninguém.

Pedir conselhos é algo normal e poderá te ajudar, mas no final das contas quem correrá o risco de seguir essas recomendações será você e o seu dinheiro. Portanto, o melhor caminho é aprender como investir dinheiro por si só e utilizar as dicas e recomendações das pessoas (inclusive as minhas!) como opções a serem avaliadas. No final, a decisão deverá ser sua e tomada de maneira consciente.

Neste artigo você irá entender alguns pontos importantes que devem ser levados em consideração antes de investir seu dinheiro, para que você consiga avaliar de maneira mais estruturada as opções que existem no mercado financeiro e adequá-las a sua realidade.

Então, vamos ao conteúdo!

 

O Maior erro dos Investidores Iniciantes

O principal erro de quem está começando a investir é buscar a rentabilidade acima de tudo. Muitas vezes as pessoas querem comparar os investimentos baseado somente no quanto eles irão render ao longo do tempo, porém isso é um erro.

melhor investimento hoje

Além da rentabilidade, os investimentos possuem custos e riscos atrelados que devem ser considerados. Todos estes fatores devem estar de acordo com os seus objetivos e o seu planejamento financeiro.

Por exemplo, de nada adianta investir em um Tesouro IPCA que rende 7% acima da inflação (por sinal, uma excelente rentabilidade), se você corre o risco de precisar do dinheiro antes do prazo.   Nem comprar ações na Bolsa de Valores só porque estão baratas.

Além dos prazos, há também os custos de corretagem, taxas e impostos. E, por fim, existe também o tempo e energia gastos para realizar estes investimentos.

Principalmente para quem quer escolher o melhor investimento a curto prazo, se este tempo for inferior a 6 meses e você não possuir uma conta em corretora ou nunca investiu, pode ser mais vantajoso simplesmente deixar este dinheiro na poupança. Para valores e prazos pequenos, mesmo o Tesouro Direto possuindo ótimas taxas, no final das contas a pequena diferença na rentabilidade pode não compensar todo o esforço do investimento.

Com isso, não estou dizendo que você não deveria investir pouco dinheiro a prazos inferiores a 6 meses, e sim que você deverá avaliar o custo/benefício desta operação. Muitas vezes a ânsia de investir a todo custo pode trazer prejuízos, especialmente para quem pulou o requisito principal para investir dinheiro corretamente: o planejamento financeiro.

 

 Como investir meu Dinheiro Corretamente – O Planejamento Financeiro

Para investir com segurança e rentabilidade, é preciso, acima de tudo, ter um planejamento financeiro. Não adianta saber tudo sobre mercado financeiro se as suas finanças não estão equilibradas e se você não tem um plano definido para aquele dinheiro.

melhor investimento para render mais

Este é um erro comum das pessoas, que acabam tomando decisões precipitadas e como consequência acabam arcando com prejuízos e desistem do mercado financeiro.

Para saber qual é o melhor investimento hoje, você precisará saber primeiro qual é o objetivo para este dinheiro.  Defina seus objetivos, prazos e valores e com base nestes dados, selecione as opções de investimento à sua disposição.

O segundo passo é definir o seu perfil de investidor. De nada adianta buscar a melhor rentabilidade se você não consegue dormir à noite devido à preocupação com o seu dinheiro e as oscilações de mercado.

Por fim, você deverá estudar sobre os investimentos, entender como eles funcionam, seus custos, riscos, vantagens e desvantagens. Com todas estas informações será possível avaliar com maior clareza e certeza qual é a melhor opção para você.

Se você ainda tem dúvidas sobre este assunto, leia o artigo “Como Investir Dinheiro – O Guia Definitivo para Iniciantes”

 

Descubra qual é o Melhor Investimento Hoje – A Mídia e o Sensacionalismo

Um ponto importante para quem deseja investir corretamente é aprender a filtrar as notícias da mídia e dos portais de notícias.

melhor investimento 2016

O mercado varia todos os dias, a economia é cíclica, e a preocupação diária de acompanhar esse mundo louco não é para qualquer um. Existe muitas pessoas, traders profissionais, que fazem isso, mas para o investidor iniciante, este excesso de informação atrapalha e até assusta.

Não invista baseado em notícias de jornal, pois muitas manchetes são sensacionalistas e muitas das recomendações dos grandes portais não vão levar em consideração o seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros.

Não é preciso se preocupar em escolher o melhor investimento hoje tendo como base a variação diária da bolsa de valores ou das taxas de câmbio.  Para que os resultados destas notícias afetem você, é preciso ter uma visão geral da situação econômica, como por exemplo o período atual, em que o Brasil possui alta inflação e altas taxas de juros, o que torna os investimentos em renda fixa como LCI, LCA e Tesouro Direto, extremamente atrativos.

Mas, acima de tudo, estes investimentos devem levar em consideração o seu planejamento. Se de acordo com seu perfil e seus objetivos financeiros, existe a opção de investir na renda fixa, aí sim você poderá avaliar estas notícias do mercado para escolher um bom investimento. Caso contrário, elas só irão atrapalhar.

Outro ponto importante é que as notícias econômicas costumam ser situadas em dois extremos – o otimismo exagerado e o pessimismo crônico. Atualmente estamos passando por uma onda de pessimismo que deve ser avaliada com cautela, especialmente no que se refere aos investimentos.

Um exemplo simples é a preocupação com o Tesouro Direto. Com as denúncias de corrupção, notícias sobre impeachment e escândalos do governo, muita gente acha que investir em títulos públicos não é uma boa opção. Mas, apesar das taxas e valores dos títulos serem influenciadas pelos acontecimentos, eles continuam sendo os títulos mais seguros do país. Além disso, os bancos e empresas investem boa parte do seu capital em títulos do governo, então se ocorrer algum calote, o país inteiro irá falir.

E, convenhamos, se o país falir não é a sua poupança que irá continuar “de pé”. Muito menos o dinheiro guardado embaixo do colchão, pois muito provavelmente o poder de compra dele será todo corroído pela inflação.

Com isso, quero dizer que você não deve ficar paranoico com as notícias que aparecem por aí. Nem animado demais em ondas de otimismo. Investir corretamente significa ter equilíbrio, uma carteira diversificada e um bom planejamento financeiro, não existem segredos.

 

Conclusão

Neste artigo, falei sobre alguns pontos polêmicos e erros comuns que vejo os investidores iniciantes cometendo. A moral da história é jamais depender de ninguém. Busque conhecimento, aprenda sobre os investimentos e tome suas decisões com consciência.

Se você quiser saber como aprendi a investir, leia este artigo em que eu falo um pouco sobre a minha experiência pessoal.

Utilize as dicas de profissionais, colegas e da mídia de maneira racional e crie um leque de opções para si mesmo – a escolha do melhor investimento hoje só poderá ser feita por você, tendo sempre como base o seu planejamento financeiro e o seu perfil de investidor.

Espero que tenha gostado do artigo, não se esqueça de deixar seu comentário e compartilhar com os amigos!

 

por -
0

O Tesouro Direto atualmente é o investimento mais seguro do país, e também o mais indicado para iniciantes. Apesar do alto grau de segurança, boa rentabilidade e facilidade de investir, também é possível perder dinheiro com os títulos públicos se você não souber o que está fazendo.

Muitos leitores aqui do blog me procuram para tirar algumas dúvidas, e percebi que muitas delas se repetiam. Percebi também que as pessoas tomavam algumas decisões sem considerar fatores importantes sobre os investimentos.

É perfeitamente possível investir no Tesouro Direto com pouco dinheiro e quem está começando do zero pode investir com relativa tranquilidade, porém é preciso prestar atenção a alguns fatores importantes para não perder dinheiro.

A falta de organização, não prestar atenção aos custos envolvidos e investir sem ter um planejamento financeiro são as principais causas de fracasso não só no Tesouro Direto, mas também em todos os investimentos. Aprender como investir dinheiro muitas vezes é o menor dos problemas de quem está começando. O principal é ter consciência, objetivos claros e a mentalidade correta.

Neste artigo, você irá entender alguns dos principais fatores a serem analisados antes de investir no Tesouro Direto. O primeiro deles, e também o mais importante, é fazer um planejamento financeiro.

Se você tiver alguma dúvida sobre o Títulos Públicos  fique à vontade para perguntar nos comentários dos artigos. Mas, antes disso, leia o F.A.Q. presente no próprio site do Tesouro Direto neste link.

Então, vamos ao conteúdo!

Faça um Planejamento Financeiro

Quando estamos começando a investir, é realmente muito difícil escolher qual é o melhor investimento. Ficamos perdidos, sem saber por onde começar. Eu sei como é isso. O fato é que o primeiro passo dificilmente é descobrir o melhor investimento – porém é aqui que a maioria das pessoas começa. Será que você está cometendo este erro também?

planejamento financeiro investir

A verdade é que o primeiro passo para escolher a melhor aplicação para investir seu dinheiro é fazer um planejamento financeiro. Sim, estou batendo novamente nesta tecla! Mesmo nos títulos do Tesouro Nacional, que são extremamente seguros, é possível perder dinheiro se você não investir corretamente.

O principal erro para quem está começando a investir no Tesouro Direto é escolher um título baseado na rentabilidade, sem fazer um planejamento financeiro. Ou então simplesmente investir em algum título que outras pessoas recomendaram, sem analisar a fundo se ele realmente é adequado para você.

Fazer um planejamento financeiro é necessário para que você não perca dinheiro resgatando o título antes do prazo. Existe também o custo de oportunidade, que acontece quando você não utiliza o potencial máximo do investimento e acaba deixando de ganhar mais dinheiro.

No caso do Tesouro Direto, existem 3 problemas que podem ocorrer caso você não faça um planejamento antes de investir:

– Pagar IOF

Se você investir e precisar resgatar o dinheiro por um período inferior a 30 dias da data da compra, irá pagar alíquotas muito altas de IOF. Você irá perder toda a rentabilidade daquele mês. Não é uma perda tão drástica e preocupante, porém se considerarmos todo o trabalho que você teve para investir, e até possíveis gastos com DOC/TED do seu banco para a corretora, foi tempo jogado no lixo!

IOF Tesouro Direto
Tabela Regressiva de IOF no Tesouro Direto

– Resgatar o papel em prazos muito curtos

A alíquota de imposto de renda é maior para investimentos inferiores a 2 anos. Sendo assim, se você precisar resgatar o título público antes deste prazo, irá pagar mais imposto sobre os rendimentos.

Este imposto maior pode tirar algumas vantagens do Tesouro Direto, e no final das contas a rentabilidade poderá ser menor do que outros investimentos.

Por isso, é importante fazer um planejamento e no caso de investimentos para prazos menores de 2 anos, analisar muito bem se o Tesouro Direto é realmente uma boa opção para você. Normalmente, o Tesouro Selic é indicado para estes casos, mas é preciso avaliar também outras opções atrativas como CDBs e principalmente LCIs e LCAs.

– Precisar retirar o dinheiro investido no mesmo dia

Isso não representa necessariamente uma perda de dinheiro, e sim um atraso no recebimento, e é importante saber também.

As operações de venda dos títulos públicos são realizadas somente em dias úteis. Normalmente demora entre 1 a 2 dias úteis para a transação ser completada e o dinheiro depositado na conta da sua corretora. Você pode enviar a ordem de venda em qualquer horário, mas o sistema só irá processar a transação em dias úteis.

Depois, você precisará transferir o dinheiro da corretora para o seu banco, e isso também poderá demorar alguns dias úteis dependendo do tipo da transferência. Logo, em situações de emergência, o dinheiro não estará disponível imediatamente.

Portanto, se você está aplicando a sua reserva de emergência no Tesouro Direto, é recomendável não investir todo o dinheiro, e sim deixar uma parte na poupança. Caso ocorra alguma emergência e você precise do dinheiro no mesmo dia, poderá sacar a parte que está na poupança no seu próprio banco, enquanto aguarda o processo de venda dos títulos públicos.

Outro problema comum que ocorre com pessoas que não fazem um planejamento financeiro antes de investir é precisar do dinheiro antes do prazo de vencimento do investimento, que é o que irei explicar no próximo tópico.

 

Não Realize o Resgate Antecipado

Sem um planejamento financeiro, você corre o risco de investir em títulos de prazos muito longos e precisar do dinheiro antes deste tempo acabar. Esse é o pior cenário possível, e é quando as pessoas realmente perdem dinheiro. Este assunto é tão importante que resolvi separar um tópico somente para ele.

vale a pena investir no tesouro direto

Ao realizar um resgate antecipado no Tesouro Direto, você não irá receber a rentabilidade contratada quando comprou, e sim o valor de mercado do título na data da venda.

Isso significa que, caso o valor de venda esteja menor do que o valor do seu dinheiro investido acrescido dos juros até aquela data, você poderá perder dinheiro. Em prazos curtos o valor de venda poderá ser, inclusive, menor do que a quantia que você investiu.

Esta variação nos preços de compra e venda vem da mudança constante nas taxas de juros da economia, e o Tesouro Direto acompanha estas flutuações.

Portanto, ao comprar títulos prefixados e o Tesouro IPCA, é extremamente recomendável mantê-los até a data de vencimento. A única exceção é o Tesouro Selic, que possui rentabilidade pós-fixada e pode ser resgatado antes do prazo sem sofrer este tipo de penalidade.

Uma coisa importante que preciso destacar neste tópico é que, assim como é possível perder dinheiro resgatando o título antes do vencimento, também é possível ganhar com isso. O valor de venda pode ser maior do que a rentabilidade que você adquiriu, e vendendo antes do prazo você poderá ter lucros muito superiores, chegando aos patamares de 25% ao ano.

A boa notícia é que é possível prever com uma precisão razoável quando ocorrerá estas subidas e descidas dos preços.

Existem estratégias avançadas de investimento no Tesouro Direto que são puramente baseadas em comprar e vender os títulos antes do prazo para ganhar mais dinheiro. E a vantagem é que é uma operação extremamente segura, pois caso você cometa algum erro, basta carregar o título até o vencimento.

Esta é, inclusive, a estratégia que eu uso nos meus investimentos. Ela se baseia na avaliação de alguns indicadores econômicos que influenciam nas taxas do Tesouro Direto, e assim eu posso saber se o valor do título irá cair ou subir. Não é necessário ter grandes conhecimentos de economia e finanças, e você irá analisar estes indicadores apenas uma vez a cada três meses. Caso você tenha interesse nesta estratégia avançada, clique aqui e conheça o método.

 

Aprenda a Usar a Calculadora do Tesouro Direto

Outro erro comum dos investidores é utilizar incorretamente a calculadora do Tesouro Direto, principalmente ao comparar títulos Prefixados com o Tesouro IPCA. Não se preocupe se você já cometeu este erro, é comum. Ao realizar simulações na calculadora, muitas vezes o resultado são diferenças na rentabilidade líquida dos dois títulos.

Na verdade, esta diferença pode existir, porém você precisa analisar se fez o cálculo correto. O fato de uma parte da rentabilidade do Tesouro IPCA corresponder ao valor da inflação pode induzir as pessoas ao erro.

tesouro ipca inflacao

Para poder comparar um Tesouro Prefixado e um Tesouro IPCA, é necessário descontar a inflação do Tesouro Prefixado também. Só assim você conseguirá comparar as duas taxas. E isso também vale para a calculadora do Tesouro Direto. Dependendo do valor que você escolher para a inflação, a rentabilidade líquida do Tesouro IPCA será diferente.

O Tesouro Prefixado tem a característica de ter uma rentabilidade bruta constante, válida até a data de vencimento. Se a inflação estiver alta, a rentabilidade líquida será menor. Logo, o valor que seu dinheiro irá render acima da inflação (que na prática é o que realmente importa), irá variar com o tempo.

Já no Tesouro IPCA a inflação está contida no título, então a rentabilidade líquida é constante. Seu dinheiro sempre irá render aquela mesma porcentagem contratada acima da inflação.

Neste caso, é preciso avaliar os seus objetivos financeiros e a situação econômica do Brasil, e não puramente as rentabilidades. O pagamento dos juros é diferente para os títulos, então não é uma boa ideia realizar esta comparação sem considerar outros fatores.

Em geral, para investimentos de prazos longos, é interessante proteger o dinheiro da inflação. Entretanto, em épocas de inflação baixa, o Tesouro Prefixado pode ser uma excelente opção. Na realidade, para escolher o título que irá resultar na melhor rentabilidade para você, será necessário analisar muitos fatores. Tomar uma decisão somente com base em uma simulação numérica não é a melhor opção. É preciso primeiro estudar sobre os títulos e avaliar a sua situação atual.

 

Verifique as Taxas Bancárias

Muitas pessoas procuram o Tesouro Direto como um meio de investir mensalmente, para substituir a poupança. Especialmente para quem tem pouco dinheiro, investir quantias baixas mensalmente é uma excelente estratégia para garantir grandes ganhos no futuro. Porém, se isso não for feito com planejamento, existe uma possibilidade muito grande de perder dinheiro.

Quem deseja investir mensalmente no Tesouro Direto, ou quer investir com pouco dinheiro, é preciso analisar cuidadosamente as taxas bancárias envolvidas.

tesouro direto taxas

Ao escolher uma corretora para investir em títulos públicos, sempre confira qual é o banco da conta depósito da corretora. Existe uma cobrança padrão de R$ 10,00 a R$15,00 para transferências TED/DOC, então dependendo da quantia que você irá transferir, este poderá ser um custo muito alto.

Por exemplo, você pode investir R$30,00 por mês, mas irá pagar R$ 10,00 somente para poder transferir o dinheiro. Evitar este custo é muito importante!

Para evitar este custo, basta escolher uma corretora cuja conta depósito seja no mesmo banco que o seu, assim você será isento desta taxa. Esta informação pode ser encontrada no site da corretora, e você também pode entrar em contato via e-mail ou telefone e perguntar. Outra opção é abrir uma conta digital, que também não cobra taxas de transferência entre bancos. Por fim, verifique se sua conta possui alguma cortesia na quantidade de TED/DOC gratuitos.

 

 

Conclusão

Investir no Tesouro Direto é excelente no momento econômico atual, para proteger seu dinheiro da inflação e ganhar com a alta dos juros. Porém não é possível investir sem estudar e aprender como as regras funcionam e sem ter um planejamento financeiro adequado.

Outro fator importante que você entendeu neste artigo são os custos envolvidos. Muitas vezes o investimento é bom, com rentabilidade interessante, porém existem algumas taxas que os investidores esquecem de considerar, por não estarem diretamente ligadas ao investimento em si. O maior exemplo são as taxas bancárias e da corretora, que precisam ser analisadas cuidadosamente para que você possa escolher a melhor estratégia.

Espero que este artigo tenha aberto a sua mente para os fatores de análise dos investimentos, mesmo no caso de títulos simples como o Tesouro Direto. As questões analisadas aqui são válidas também para outros tipos de investimentos.

Se você deseja ser um investidor de sucesso, sempre deverá pensar fora da caixa e analisar cuidadosamente suas opções. Porém esta análise não deve ser encarada como um obstáculo. Lembre-se: você estará perdendo mais dinheiro se não investir!

Para aprender sobre os outros investimentos, leia os artigos que já escrevi sobre Bolsa de Valores, CDB, LCI/LCA e também o artigo geral, em que ensino como investir dinheiro.

Se você deseja aprender de maneira mais rápida, com um passo-a-passo detalhado, confira o Curso Aprenda a Investir.

Espero que tenha gostado do artigo! Não se esqueça de deixar seu comentário e compartilhar o conteúdo com seus amigos.

Siga-nos!

Gostou do Conteúdo?

 Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Acesse seu e-mail e confirme a inscrição!